segunda-feira, 28 de junho de 2010

Notícias da minha mãe...


Oi, gente!
Estou escrevendo hoje para dar notícias da minha mãezinha.
Ela está hospitalizada ainda (vai ficar um tempo), mas o quadro encontra-se estável e com melhoras graduais.
Ainda está sedada, mas com o semblante sereno, de quem está reagindo, como bem disse os médicos.
Então eu já agradeço quem está nessa corrente por ela e pela nossa família.
Pelas orações, preces, energias, não importa o credo e a religião, mas sim a verdade e a força de um bom coração e de bons sentimentos.
Sigamos em orações, preces, pedidos.
Obrigada a todos!

sexta-feira, 25 de junho de 2010

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Metade....


E nesses dias eu tenho vivido pela metade,
A casa que antes era pequena ou do tamanho exato,
Agora é imensa,
Oca,
Tem ecos....

Parece que tem mais de 10 quartos e várias dependências.

Tudo, por que você não está aqui.

A cama ainda está vazia,
À noite não escuto o seu rádio ao longe, lá, na Rádio Itatiaia. Sempre me dizendo que estava ouvindo sobre a previsão do tempo ou mesmo alguma notícia que nem era tão importante.
Não ouço você me chamar e pedir um copo d'água ou até que eu te ajude a ir até a cozinha e ao banheiro.

Meu relógio não desperta mais às 5 e meia da manhã, para que eu faça o café, prepare a mesa e você venha comer  e dizer que isso não é hora de comer, mas tem que tomar os remédios, e eu do outro lado dizia: "Come rapidinho, e depois volta pra cama e finge que o dia começará as 8 horas." E você falando pra eu correr pra dormir um pouco antes de sair no meio da manhã pra entrar no serviço às 13 horas (horário ingrato).

Então, não quero mais viver pela metade, o que já acontece há quase 7 dias.

Estou aqui te esperando, plena e recuperada pelas graças de Deus.

Volte logo mamãe!

Saudades!

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Para minha mãe e todos aqueles que estão enfermos...



Senhor dos Mundos, Excelso Criador de todas as coisas.
Venho à Tua soberana presença neste momento, para suplicar ajuda aos que estão sofrendo por doenças do corpo ou da mente.

Sabemos que as enfermidades nos favorecem momentos de reflexão, e de uma aproximação maior de Ti, pelos caminhos da dor e do silêncio. Mas apelamos para tua misericórdia e pedimos:
Estende Tua luminosa mão sobre os que se encontram doentes, sofrendo limitações, dores e incertezas.

Faz a fé e a confiança brotarem fortes em seus corações.
Alivia suas dores e dá-lhes calma e paz.

Dá-lhes alívio, consolação e acende a luz da esperança em seus corações, para que, amparados pela fé e a esperança, possam desenvolver o amor universal, porque esse é o caminho da felicidade e do bem-estar... é o caminho que nos leva a Ti.

terça-feira, 15 de junho de 2010

No hospital...



Queridos amigos e seguidores,
Estou com a minha mãe hospitalizada.
Volto a postar e a visitar vocês quando tudo estiver normalizado.
Beijos Tempestuosos a todos!

domingo, 13 de junho de 2010

Querido diário....



Querido diário,


Será que é preciso contar?
Talvez para tirar o peso que se arrasta por tantos anos ou simplesmente pra falar.
Vou te contar sobre rejeição e todos os outros sentimentos que vêm à tona com ela.
Fui rejeitada pela primeira vez ainda no ventre da minha mãe, sabia? É, isso mesmo. Eu ainda era apenas um ser em formação quando meu pai me rejeitou, ao dizer em claras palavras pra minha mãe: "Eu quero que seja um menino." E eu lá de dentro, me encolhi com medo, pois eu já sabia que era uma menina, mas quando ouvi aquela voz tão alta e forte dizendo o contrário, me dei conta de que se eu realmente chegasse no mundo, as coisas não seriam nada fáceis.
E então os meses foram passando, a barriga da mamãe crescendo e eu sabia que meu tempo estava próximo, e como enfrentar esse mundo cheio de tantas coisas, e ainda mais um problema logo dentro do que seria o meu lar?
Só que mamãe não percebeu que meu tempo tinha chegado e já estava até passando, quando um belo dia, ela disse ao meu pai que tinha algo errado, e lá fomos nós para o hospital.

Chegando lá, o médico olhou assustado pra ela e mandou que a internasse logo, pois eu já estava sem o líquido amniótico que tanto me protegia. No fundo eu sabia que já era tempo de chegar, mas talvez por medo meu e da minha mãe, eu me atrasei.

Cheguei ao mundo sem grandes problemas, foi um parto fácil, apesar do susto do doutor. Ele mandou fazer exames em mim e pediu para que minha mãe prestasse atenção, pois eu poderia trazer seqüelas graves, inclusive cerebrais. E meu pai quando foi ao hospital para ter notícias, minha mãe simplesmente mentiu, dizendo que ainda não tinha tido o bebê, que estava aguardando. Ele saiu do quarto e quando chega ao corredor, a enfermeira com a sua boca grande diz pra ele que eu já tinha chegado, aí ele voltou ao quarto e perguntou novamente pra minha mãe, que então disse a verdade, pois pensava em fugir comigo.

Os anos passaram e quando eu ainda era criança eu sofri um acidente, na verdade um trauma, que me deixou sem andar por mais de um ano. Depois desse tempo eu voltei a andar e fiz um tratamento ortopédico. Tudo ia indo mais ou menos bem. E por que?
Porque eu não podia fazer várias atividades que as outras crianças faziam devido às minhas botas ortopédicas.

Pois então Querido diário, quando fiz 15 anos veio minha segunda rejeição. Como sempre, toda e todo adolescente se apaixona e acha que a menina ou o menino é o amor pra toda a vida, e comigo não foi diferente. Mas para a minha surpresa, o menino me disse um não enorme e ainda disse que gostava era da minha amiga.

A vida foi seguindo e no ano seguinte aos 16 anos sofri mais uma rejeição, só que dessa vez eu ainda mantive uma obsessão por esse rapaz, que mesmo não me aceitando em um relacionamento homem/mulher, me manteve como amiga e confidente. Fiquei nessa condição até os 28 anos, achando que era normal, e que dessa forma eu o tinha por perto. Bobagens.....

É Diário, a vida não foi fácil nesses períodos. Aliás, nunca foi, em nenhum outro também, pois nem vou enumerar todas as outras rejeições que sofri. Mas parei pra pensar e me veio esse começo que foi tão difícil e que delineou toda a minha história até aqui.

Talvez seja por isso que toda vez que alguém me conhece ou vê uma foto minha me diz que sou uma linda alma com olhar triste. Deve ser essa história que já vem de longe, não é?

Ah, Diário, são tantas coisas, tantas tristezas, tantas angústias e você bem sabe e já me acompanhou nas desventuras e tentativas de deixar esse mundo. Mas ainda bem ou não, eu nunca as concretizei, e só por isso hoje estou aqui escrevendo.

Bem, hoje vou terminando por aqui....

Outro dia volto pra falar mais com você............................

Fatos de uma vida real
Por Tempestade

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Pensamentos....


E eu que pensava que tinha me perdido,
Mas na verdade tinha me encontrado.


E eu que pensava que tudo teve um fim,
Descobri que era apenas um começo.

E eu que pensei que choraria sempre,
Descobri um sorriso em meio às lágrimas.


E eu que pensei que tudo seria nebuloso,
Descobri que depois das nuvens escuras vem o raiar do sol.

E eu que pensei que nunca amaria novamente,
Descobri que o amor está nas afinidades eletivas.


E eu que no silêncio dos vários pensamentos,
Descobri a voz da companhia,
O sussurro contemplativo.

E eu que pensava ser apenas uma,
Me descobri em diversas facetas.


E eu que imaginava ser pra sempre,
Me peguei dizendo adeus.

E eu que ao fim da linha,
Imaginei que tudo acabou,
Descobri que um dia tudo pode
Recomeçar!


Por Tempestade

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Amizade...


Amizade...
Palavra que remete a um sentimento tão nobre como o amor.
Seria ela uma espécie de amor?
Amigos se escolhem,
Assim como certos livros escolhem seu leitor.


Amigos se reconhecem mesmo quando estão distantes...
Eles se entendem mesmo de longe.
Basta uma palavra, às vezes pequena, monossílabica para que o outro lhe compreenda e,
venha ao seu encontro, com um sorriso que afaga, um carinho no momento preciso,
assim, descompromissado, apenas por amor, pois concluo que sim, a amizade é uma espécie de amor.


Há amigos de perto,
e os de longe.
Os novos,
os velhos.
Os presentes,
E os ausentes.


Há ainda aqueles que nos escolhem no meio de coisas não convencionais,
Mas o coração esse sim não tem convenção,
Não tem cor, raça, sexo, religião ou outro esteriótipo,
É apenas aquele que bate de alegria e nos faz abrir um sorriso,
Mesmo que lá longe...
Do outro lado de uma tela de computador,
Ou do fio do telefone,
E ainda das palavras em uma carta enviada pelos correios.


É esse mesmo coração que,
Não se engana jamais ao reconhecer,
Um amigo que o será para toda a vida.


Ser amigo,
É estar sempre ao lado,
Seja em que situação for.


Ser amigo,
É também dar puxões de orelhas,
Alertar do perigo,
Cuidar sempre com carinho.


É por isso tudo que as amizades,
para mim são sempre um bem extremamente precioso.
E que dinheiro nenhum conseguirá suprir o afeto de um verdadeiro amigo.




Escrevo essas linhas especialmente para Sandra & Fernando


Pessoas que me são caras,
e que fazem com certeza meu coração bater mais feliz,
e um sorriso estampar no rosto do outro lado da tela,
através do fio de um telefone e,
de linhas em uma carta enviada pelos correios.


Obrigada por sua amizade sempre sincera e leal!

quarta-feira, 9 de junho de 2010

A vida....



"Mas há a vida que é para ser intensamente vivida, há o amor, que tem que ser vivido até a última gota. Sem nenhum medo. Não mata".

Clarice Lispector

terça-feira, 8 de junho de 2010

Top Blog 2010



Não gosto muito de pedir, mas vamos lá.
Meu blog foi indicado e está concorrendo do TopBlog 2010, então caros amigos, seguidores e visitantes, gostaria de pedir o voto de vocês.
Para votar é bem fácil:

1) Clique no selo ao lado - Top Blog 2010
2) Vote no meu blog que já vai abrir com o seu clique
3) Depois que clicar votando, aparece uma caixinha pra você confirmar o voto, então digite seu nome e seu e-mail
4) Depois clique em votar
5) Vá até seu e-mail e no link confirme o seu voto.
6) Voto validado.

Viu como é fácil?

Se vocês gostam do meu blog e acham que ele merece, passe lá.

Agradeço a todos!

Beijos Tempestuosos!

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Cartas sem selo....



Hoje estou aqui.

Agora escrevo no Cartas sem selo, apareçam por lá!

"Silêncio no quintal, o vento passa distante e a paisagem aos poucos se desenha com sentimentos de antigamente. Faço festa entre as folhas de amarelecidas saudades. O pensamento viaja ao longe e a pena o conduz... Metáforas se definem ao longo das horas: uma, duas, três. Não importa. Agora só preciso de um envelope, o selo eu dispenso... O remetente se apresenta através do seu olhar. Então, seja bem vindo..."

Cartas sem selo

domingo, 6 de junho de 2010

[Des]controle....




Sentou-se no balanço,
Suas pernas caídas e tão distantes do chão,
Sensação de liberdade e ao mesmo tempo de medo.
Não ter o chão sob os pés nos dá a sensação de que algo vai mal, que não temos controle.
Mas controle de que?
Das finanças no fim do mês?
Da hora de deitar e de acordar?
Sobre o que comer, o que vestir?

Controlar o que?

Se há tempos não há controle para nada, seja material ou não.

O "descontrole" do amor é tão bom...
Afável,
Doce e terno,

Mas ele não é para todo mundo.....

Por Tempestade

sábado, 5 de junho de 2010

Te levando....




"(...) levar o retrato duma pessoa no bolso é como levar-lhe um pouco da alma." p.120



José Saramago

Todos os nomes

Devaneios....


Anda tudo tão vazio,
Tão distante,
E por que sempre tem que ser assim?
Por Tempestade

terça-feira, 1 de junho de 2010

Amor que morre...



O nosso amor morreu…Quem o diria!
Quem o pensara mesmo ao ver-me tonta,
Ceguinha de te ver, sem ver a conta
Do tempo que passava, que fugia!

Bem estava a sentir que ele morria…
E outro clarão, ao longe, já desponta!
Um engano que morre…e loga aponta
A luz doutra miragem fugidia…

Eu bem sei, meu Amor, que pra viver
São precisos amores, pra morrer,
E são precisos sonhos pra partir.

E bem sei, meu Amor, que era preciso
Fazer do amor quie parte o claro riso
De outro amor imposível que há-de vir!

Florbela Espanca