terça-feira, 19 de abril de 2016

Reflexões...


Vitória - régia no Parque das Mangabeiras - BH em 2012

É preciso refletir às vezes, parar, respirar e pensar sobre a nossa vida, o caminhar, os acontecimentos.

Cada pessoa faz isso de uma forma. Uns caminham, outros viajam, há aqueles que se sentam e contemplam a natureza, outros ainda vão dormir para então se revigorar e por aí vai.

E tem aqueles eu lêem, e eu sempre escolho ler. Seja trechos de livros, capítulos inteiros ou trechos soltos por aí, mas para mim o mais reconfortante e melhor direcionamento vem da Bíblia.

Antes com minha mãe por aqui, a reflexão começava sempre com uma conversa com ela, ali do lado da cadeira de balanço, ouvindo seus conselhos ou até mesmo suas histórias. Depois eu me recolhia com meus pensamentos e minhas leituras. Hoje não a tenho aqui do lado, mas tenho vivo na memória seus conselhos e direcionamentos, e o mais importante, tenho a fé no Deus Vivo e sua Palavra.

E nesses últimos tempos refletindo sobre muitas coisas, me deparei com estes dois versículos que resumem muito o que ando pensando, refletindo e redirecionando o caminhar.

"E disse: Nu saí do ventre de minha mãe e nu tornarei para lá; o Senhor o deu, e o Senhor o tomou: bendito seja o nome do Senhor." Jó 1:21

"O coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa dos lábios vem do SENHOR." Provérbios 16:1

Agradeço aos meus pais por direcionar meu caminhar e dessa forma me proporcionar maturidade e sabedoria para viver nesse mundo.

Por Letícia Alves

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

41º aniversário

Mamãe e eu! (2009)
Foto: Letícia Alves 


Ontem foi meu quadragésimo primeiro aniversário e você não está aqui, como tem sido desde 2010.

Sinto sua falta, mas seu cheiro permanece na minha memória, o tom da sua voz, e a maciez dos seus abraços.

Ontem não teve o bolo que por vezes você fazia, nem o arroz doce também, nem o bife à milanesa.

Ontem não teve você falando: Bom dia, Feliz Aniversário! Que Deus te abençõe!

Ontem não teve muitas coisas, mas teve boas lembranças de todos os anos que Deus me permitiu estar ao seu lado.

O hoje me mostra isso e o amanhã chegará com certeza!

Vida que segue!


Por Letícia Alves 


segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

45 anos - filme

Resolvi me dar ao luxo de tentar assistir aos filmes indicados ao Oscar 2016, seja na categoria melhor filme ou em outras como ator atriz e por aí vai (a lista completa dos indicados, você encontra aqui, e em vários outros sites pela internet).

Dos filmes que já vi (você pode conferir minha lista de filmes assistidos em 2016 aqui), vários tem me chamado atenção, seja pela fotografia, trilha sonora, atuações e claro, a própria história ali contada. E dentre os filmes até agora vistos, vou destacar um, que realmente me fez pensar mais, o filme é 45 anos. Informações sobre ele e outros filmes, gosto de ver no site Adoro Cinema, o link para as informações dele é esse aqui.


Imagem da internet - poster brasileiro

Imagem retirada da internet - poster original


É um filme do Reino Unido, então não vá achando que é aquela trama de Hollywood, talvez você demore a engrenar no entendimento da história e até mesmo achar que a história é parada, vá sem preconceitos e delicie-se com a história.



O filme começa com duas notícias, uma boa e outra ruim (claro, dependendo do ponto de vista), a boa é que Kate e Geoff estão comemorando 45 anos de casados, e Kate está planejando a festa, e a outra notícia é que há uma semana dessa bela comemoração, Geoff recebe uma carta dizendo que o corpo do seu primeiro amor foi encontrado congelado no meio dos Alpes Suíços, depois de décadas. É agora que a estrutura emocional de ambos será abalada, e com isso a pergunta: há o que se comemorar?

E durante os preparativos da festa, conversas com Geoff e o retorno de conversas sobre Katya (o primeiro amor de Geogg), dentro de casa e a todo momento, inicia-se um conflito emocional para Geoff, mas principalmente para Kate. E a última cena sintetiza o que a todo momento o espectador não quer acreditar.



Bela fotografia, trilha sonora, boa direção e atuações impecáveis, Charlotte Rampling concorre ao Oscar 2016 de melhor atriz.

Em síntese, é um filme delicado e ao mesmo tempo forte!


Por Letícia Alves 


sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

E começou...




imagem retirada da internet




E começou...

Mais um ano começa e com ele novas esperanças, e a sensação de recomeço.
Então vamos nos reiventar sempre, pois de nada adianta mudar o ano e a gente permanecer o mesmo.

Feliz Ano Novo!


Espero vir aqui mais vezes durante esse ano, que será o ano da tese.


Por Letícia Alves

domingo, 13 de dezembro de 2015

Do cotidiano...


imagem retirada da internet


Paisagens e/ou olhares nos fogem no cotidiano.

Dia desses andando pela rua voltando do trabalho, ouvi um som que parecia vir de um radinho a pilha.

Estranhei, pois há anos não escuto e/ou vejo esses aparelhos, pois com tanta "modernidade", não é comum vê-los, tampouco ouví-los. 

Para minha surpresa, o som emanava de um desses aparelhos, nas mãos de um senhor. Ele sentado na porta da sua casa, ouvia atentamente as notícias, no seu radinho a pilha.

Passei por ele, e então ele me dirigiu o olhar e disse: "Boa tarde!", e eu respondi:"Boa tarde!"

E lá se vão duas raridades que fogem do nosso cotidiano: o radinho a pilha e o cumprimento do fim de tarde entre desconhecidos.



Por Letícia Alves