Robinson Crusoé - Daniel Defoe


DEFOE, Daniel. Robinson Crusoé. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2011. 
408 páginas


Escutamos muito sobre Robinson Crusoé e Sexta-Feira, esses personagens e sua história, mesmo que parcial, povoam o imaginário no mundo.

Esse clássico da literatura mundial e que pode ser considerada como fundante do romance inglês, traz muito mais elementos em sua narrativa do que simplesmente o "conhecimento" que temos desses dois personagens.

O livro escrito no século XVIII, tendo o autor, Defoe já publicado outras obras, nos traz a história de um náufrago e sua vida em uma ilha deserta. A primeira parte do livro é dedicada a nos contar quem é Robinson e qual a sua motivação em deixar sua vida na Inglaterra, a sua casa paterna e sua posição social, para se aventurar nos mares. Já a segunda e última parte é dedicada ao seu diário. Nesse relato Crusoé vai nos contar como passou 28 anos em uma ilha, desde a sua primeira noite até sua saída de lá e retorno à sua terra natal.

Um livro ambientado em um período mercantilista e expansionista das potências europeias, e nesse caso, a Inglaterra. Nos mostrará as relações do país com o mundo e como Robinson vê e lida com esse mundo, mesmo estando "preso" em uma ilha.

É uma história que nos mostra, superação, fé, organização e persistência. Seria mais uma de várias histórias que conhecemos no dia a dia, pois a cada dia temos que resolver algum problema, realizar planejamentos, seja de uma pequena tarefa ou de algo complexo que vai requerer um longo prazo.

Você começa a leitura e engatilha, e logo, quer saber como isso vai terminar, e como Crusoé se estabelece nessa nova vida, do ponto de vista material, mas também da sua própria sanidade mental. Afinal, ele viveu no limite humano, solitário e tendo que "sobreviver" em um local, a princípio, inóspito, mas que em seguida tornou-se seu lar.

Leia sem julgamentos de valor e preconceitos, pois temos que ter em mente a ambientação e o contexto histórico da narrativa. Muitos leitores leem obras históricas, sejam ficcionais ou não, com a lente de hoje, século XXI, o que é um erro.

Gostei muito do livro e ele se tornou um dos favoritos da minha vida de leitora!

Aí quando você gosta muito do livro, ele fica assim como na foto abaixo!





Recomendadíssima a leitura!


Minha avaliação: 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Histórias não (ou mal) contadas: Revoltas, Golpes e Revoluções no Brasil - Rodrigo Trespach

Rubem Alves Essencial : 300 pílulas de sabedoria

Entre pontos - J.L.Amaral