quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

(In)segurança...



Tudo que é desconhecido causa medo, desconforto e insegurança.

O bebê quando nasce chora, pois sai de um ambiente e uma realidade conhecida para uma nova; onde tudo é novo, desconhecido, portanto, inseguro.
Mas seguro pelas mãos dos médicos e depois junto ao coração da mãe, o bebê pára de chorar e se sente acalentado. Dessa forma, está protegido, seguro, o novo ambiente já começa a lhe parecer familiar, instaura-se um sentimento de confiança e segurança antes aquelas pessoas que ali estão.

Assim como o nascimento, a morte é algo desconhecido, e portanto, gera medo, desconforto e insegurança. Mas a partir do momento em que nos despimos de toda a expectativa que cerca o desconhecido, tudo se dissipa e vivemos a cada dia melhor.

Mas diante de duas situações que a cada uma a seu modo nos remete a questão da (in)segurança, o que pensar?

E ela pensava que estava perdida em um deserto sem fim, e que a cada dia, o oásis parecia distante, distante...



Por Letícia Alves

Um comentário:

author casulo-online disse...

Sempre me perguntei o por quê choramos tanto ao nascermos... não a explicação científica, mas a emocional, a que "pega" na veia. O próprio ato já deve gerar a insegurança que carregamos depois, às vezes de menos, outras demais, e que só muito amor resolve.

"No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo." (I João 4:18)

Novo endereço http://www.casulonline.com/