quarta-feira, 19 de junho de 2013

Perdas...



Outro dia me peguei pensando em minha mãe (na verdade eu penso nela todos os dias, todos os minutos da minha vida), e me veio à mente uma conversa que tivemos sobre perdas.

Ela me contava das perdas que tinha sofrido durante a sua vida, tanto materiais como as de perdas de entes queridos, e mais precisamente ela falava do meu pai, na época em que ela tinha ficado viúva.

Uma coisa que ela me disse, certamente ficou em minha mente, e eu tinha e tenho que concordar com ela: nós, meros humanos não estamos preparados para a perda de ninguém. Ela falava com tristeza e pesar pela perda do meu pai e comentou que no curso de noivos, o padre, o pastor ou qualquer que fosse o líder religioso, deveria "ensinar" aos casais como amenizar esse momento crucial de um relacionamento, de uma vivência a dois.

Olhava para ela e via em seus olhos a tristeza pela perda de um companheiro que esteve ao seu lado por 38 anos. Passando juntos alegrias, tristezas, brigas, afagos, doenças e tudo o mais. 

Minha mãe também já se foi há quase 3 anos e me pego a pensar que realmente, não estamos preparados para perdas, sejam elas acidentais ou mesmo aquelas que são anunciadas.

De qualquer forma, eu nunca estarei preparada para perdas, e acredito que ninguém estará.

Por Letícia Alves

4 comentários:

Juvio ER Oliveira disse...

De fato ninguém nunca estará...
Não somos ensinados,preparados para sofremos perdas.
E mesmo que isso nos fosse ensinado,a simples presença de algumas pessoas em nossas vidas,jogaria tudo que supostamente foi ensinado fora.
Eu também sinto falta de uma pessoa muito importante em minha vida.Minha querida avó.Eu compartilho de sua dor.

CE disse...

Também não me dou bem com perdas, de nenhum tipo.
A razão ensina, mas o coração vira as costas. Precisaria renascer e ter noções mais exatas e convincentes sobre o assunto para, talvez, conseguir assimilar novos conceitos. Entendo a saudade da ausência, mas não a vejo natural, embora saiba disso, quando se trata de uma ausência eterna.

Ingrid disse...

A minha mãe diz que só sabemos o que realmente é a saudade quando perdemos alguém ..
A certeza que nunca mais os veremos..
E ela está certa... :(
Beijos amada

Lunna Guedes disse...

Somos humanos minha cara e assim sendo nos acostumamos a presença do outro e quando essa não é mais possível existi um vazio que nada é capaz de preencher. Não é que não saibamos lidar com isso é que a memória mantêm vivo alguém que já não está mais ali.
Eu lembro que quando perdi os meus pais, nos primeiros meses, eu acordava sem a consciência da mudança e chamava por minha mãe. Levava alguns minutos para eu me dar conta de que estava em outro lugar, vivendo o que parecia ser outra vida que não a minha. Tudo dentro de um sonho do qual era impossível despertar. Levou longos anos para eu me libertar dessa condição.

Lindo post minha cara.
bacio