sexta-feira, 14 de junho de 2013

Pensar...



Pensar cansa. Dói. Por vezes, corrói.
Uma gélida e cálida sensação de impotência.
Mudar dói. E não é cansativo. Paradoxal. Pensamentos e mudanças.
Mudanças geram pensamentos e pensamentos geram mudanças.


Não. Me furto o direito de não pensar. Não quero dor. E por consequência não quero mudança.

Não. Eu não quero de novo o abandono do ser, do estar, do sentir.
Não. Eu continuo insistindo que é preciso lutar.


Pensar cansa. Dói. Por vezes, destrói.
Uma sensação de mal estar. Impotência gerada.
Mudar dói.


Mudanças sim, mudanças não.


Sim. Eu sempre vou tentar a cada dia escrever um novo parágrafo.

Sim. Eu quero de novo sentir a primeira sensação, ouvir a primeira gargalhada, beijar o primeiro beijo, abraçar o primeiro abraço, dar as mãos pela primeira vez.


Pensar cansa...Dói...Corrói...Destrói...

Por Letícia Alves

Um comentário:

CE disse...

Acho que “pensamos muito” por medo de errar... hoje pode ser o nosso certo e amanhã não mais. Somos reféns das nossas escolhas, muitas coisas podemos mudar, mas nem sempre conseguimos...
Como diz Drummond “mudar faz muita poeira e normalmente preferimos a arrumação”.
Mas viver é “sair da lata”, dar a cara pra bater, em cima do óbvio e da intuição é difícil errarmos.

Boa sorte, sister, nas suas mudanças!