domingo, 20 de janeiro de 2013

Eva Braun: A vida com Hitler - Heike B. Görtemaker


Livros e história, dois elementos que sempre me fascinam. E foi assim que eu comecei a ler Eva Braun: a vida com Hitler, logo depois de ter lido, o igualmente interessante, A biblioteca esquecida de Hitler: os livros que moldaram a vida do Führer. Confesso que ter iniciado o curso de alemão em 2012, por necessidade acadêmica, também contribuiu no aumento do interesse por essa literatura. E não me arrependi. A autora através de uma pesquisa bem elaborada, tendo em vista o pouco material que restou após a Guerra, empreendeu uma reconstituição da vida de Eva Braun e os correligionários que viviam ao redor do Führer, de forma a nos colocar no cenário da Alemanha na década de 30 a 40. 

Me surpreendi com várias questões que eu não conhecia, e a história dos livros didáticos e enciclopédias omitiram, e também me impressionou o fato de que várias passagens políticas estão presentes na chamada "democracia" brasileira. Muitos governantes utilizam das mesmas ideias de Hitler na condução das políticas de Estado, tanto interna quanto externa. E isso amedronta àqueles que tem acesso e se preocupam em se informar. Pois no Brasil, a educação é deixada de lado, para que haja menos questionamentos e efetivas mudanças através do voto. 

Saio dessa leitura com várias certezas e também diversos questionamentos que levarei comigo e também compartilharei com aqueles interessados.

Recomendo fortemente tanto o livro de Eva Braun quanto A biblioteca esquecida de Hitler.

Mais sobre Eva Braun no site: http://www.evabraun.dk/

Boa leitura a todos!

3 comentários:

Jullys disse...

Deu mais vontade ainda de ler, tanto Eva Braun quanto a biblioteca do bigodudo! :)

peregrinacultural disse...

Então Letícia, vou me dedicar a ambos. Sua recomendação tem muito peso comigo. Também tive que aprender alemão, requerimento exigido no dotoramento em Historia da Arte nos EUA, independente da sua área de especialização. Confesso, no entanto, que pouco me restou depois da prova -- que era uma tradução de um texto de história da arte. Hoje, passeio pelos sites alemães, e claro tenho uma boa noção do que abordam, mas para traduzir mesmo, teria que voltar aos estudos, porque afinal s~~ao um pouco mais de 20 anos desde essa faze da minha vida, sem uso. No entanto, muito me ajudou, o alemão nas viagens que fiz à Europa. O holandês por exemplo é mais fácil por causa do alemão...

Não me surpreende a influência exercida pelos nazistas no Brasil. Vargas tinha simpatias com o regime do Führer.

Bjs

Feer disse...

Não, não, não, não! Resenhas de ótimos livros estão me perseguiiiiindo! Não Leth, não pode! Eu tenho 6 livros da faculdade pra ler, não faça isso comigo!

Hey, beijo.