quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Poema...





Ponho um beijo
demorado
no topo do teu joelho

Desço-te a perna
arrastando
a saliva pelo meio

Onde a língua
segue o trilho
até onde vai o beijo

Não há nada
que disfarce
de ti aquilo que vejo

Em torno um mar
tão revolto
no cume o cimo do tempo

E os lençóis desalinhados
como se fosse
de vento

Volto então ao teu
joelho
entreabrindo-te as pernas

Deixando a boca
faminta
seguir o desejo nelas


Maria Teresa Horta

Um comentário:

Tatiana Moreira disse...

É tao bom quando lemos algo que faz fluir a nossa imaginação!
Muito bom estar aqui e apreciar a sua bela postagem!