quinta-feira, 26 de julho de 2012

Fim de tarde...


Fim de tarde...
Seria um fim de tarde como outro qualquer, se este não tivesse matizes cinzas e horizonte perdido.


Fim de tarde,
Daqueles dias em que a alma está triste, perdida, desconsolada, 
Naquele dia que se levantou e você precisava apenas de um abraço, um afago, uma palavra, apenas um oi.


Gestos simples de alguém que você goste, ou mesmo de quem você ama, fariam toda a diferença.


Mas apenas o silêncio impera,
Fim de tarde de um dia frio, cinza, silencioso e melancólico...


E tem sido dias assim,


Em que a única vontade era de um colo, e uma mão passando na sua cabeça, um beijo e ouvir:


"Vai ficar tudo bem."




Por Letícia Alves

Nenhum comentário: