quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Sempre o tempo...


Esses dias me peguei a pensar mais uma vez no tempo, essas fatias do infinito ser.
Olho o ontem e parece que já faz anos, olho o hoje e ele me parece ontem ou mesmo o futuro. Sempre paradoxal, essas fatias do infinito ser são intrigantes e ao mesmo tempo felizes ou não - como sempre vai depender do ponto de vista - seja de quem vive, de quem viveu ou de quem apenas contempla.

Muitas vezes ouço falar que o tempo castiga. Eu penso que não. Pode deixar saudades no coração da gente, daquela pessoa querida que já não está mais conosco, mas também pode conferir à nossa vida um status de felicidade plena.

Tudo bem, hoje é dia de Finados. Melancolia, tristeza e lágrimas podem povoar muitos lugares, mentes e corações. Mas nesse ano começo a enxergar essa data de forma diferente: hoje é o décimo segundo dia de Finados do meu pai, e o segundo dia de Finados da minha mãe. Sim, fiquei órfã se alguém ainda não sabe.

Doloroso, indescritível e também extremamente saudoso. Porém, hoje eu não chorei, não lamentei, sim, lembrei deles como lembro todos os dias - não há data para o amor, para a lembrança. E sei que são meus anjos protetores - apenas estão em um plano diferente do meu e eu não posso tocá-los - mas posso senti-los.

Mas hoje também além do tempo, quero falar de amor, de amizade, de alegria e de vitórias. Sim, estar vivo nesse mundo conturbado e estar lúcido é uma vitória diária. Acredite em mim!


Pois bem, essas fatias do infinito ser me trazem alegrias inesperadas, sem planejamento algum. Há bem pouco tempo - não sei precisar - mas algo me diz que são poucos meses. Lindos olhos verdes começaram a me seguir no blog. Fiquei assim meio desconfiada, por que ela não tinha blog antes. Mas como sempre cordial, agradeci seu contato e vi que sim, agora ela tinha um blog e lá fui eu pra lá. E foi a partir daí que começamos a ler uma a outra, ela participou do sorteio de aniversário do meu blog em fevereiro desse ano (não falei que eram alguns meses?) e por aí foi.

Até que um dia ela me diz que estará na cidade a trabalho e que poderíamos nos encontrar. E em uma noite em Julho, sim, eu vi a dona dos lindos olhos verdes, mas seus olhos não são lindos, SUA alma é linda, e nas poucas horas que passamos juntas, parecia que já nos conhecíamos há anos - olha o paradoxal temporal de novo. Então, depois desse encontro em Julho, eu já pousei lá na casa dela por duas ocasiões, em Agosto e agora em Outubro. Somos irmãs de alma! Uma coisa sem explicação! E a amizade e o amor não precisam de explicação, nem de tempo, nem de nada, apenas de nós mesmos e de nossa alma.


É, o tempo jamais apagará o verdadeiro amor - por meus pais - eternamente...

E também só reforça e a cada dia fortalece meu amor e amizade com a dona dos lindos olhos verdes.

Ingrid, obrigada por existir na minha vida, surgir assim de forma inesperada, mas consistente, verdadeira, companheira, dedicada e sempre amada.

Te amo muitão!





Um comentário:

Ingrid disse...

querida amiga,
eu sempre digo que na vida Deus tem planos para nós..
e aqui estou, em outro estado, outra cidade,e acredito que foi esta mudança que mudou muitas coisas em minha vida..
me fez ver muitas coisas que não via..
sentir coisas que nunca imaginei sentir..
e me aproximar e conhecer pessoas especias..
você está nelas.. e bem próxima!
beijos linda e carinhos sempre..