quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Infância...


Tantas coisas nos remete à nossa infância e é difícil quantificar. Mas no passar dos dias deparamos com pequenas coisas, gestos, sons, cores e sabores que tem o dom de nos transportar para um tempo tão distante às vezes e muito importante: a infância.
Sim, a infância é uma fase tão importante da vida, pois após ela é que somos o que somos agora.
Tenho boas lembranças da minha infância, mesmo não sendo em alguns momentos muito alegres (aqui por exemplo), mas hoje eu conto um pedacinho feliz dela.
Na casa em que eu fui criada (saí de lá em 2007), no nosso quintal tinha horta, galinheiro e árvores frutíferas (bananeira, goiabeira, acerola, mangueira e o famoso pé de ameixa).
O pé de ameixa era o que eu mais gostava, por que era muito fácil pegar os frutos, quando ele estava carregadinho, os seus galhos davam pra cima do muro e próximo à escada que ia para o quintal. Resultado: era só chegar na escada e pegar todas as ameixas que estavam próximas (aí meus irmãos tinham que pegar os outros com mais dificuldade e com uma vara hehehe), sim eu era espertinha.

Passando ontem no sacolão, eu me deparo com uma bandeja escrito Néspera, mas quando bati o olho, pensei: "Ué, mas essa é a ameixa que tinha lá em casa.", sim tem outro nome.
E ao comer os frutos, tudo voltou à minha mente: saudades do meu quintal, mas muito mais dos meus pais. Pois minha mãe sempre falava: "Não coma antes do almoço pra não estragar o apetite". Cuidados que jamais vou esquecer.

Lembranças latentes e saudades eternas de vocês!



3 comentários:

Lua Nova disse...

É verdade, minha querida, não há lembranças mais caras do que as da infância, época em que éramos felizes e nem sabíamos e na qual tínhamos nossos pais a cuidar de nossos passos. Mas não se sinta triste. Sei que ainda está de luto, mas tenho certeza que mamãe não gostaria nada de vê-la triste.
Beijokas, meu bem, obrigada pelo carinho e um fds em paz.

Menina no Sotão disse...

Por essas e outras carissima, é que eu não consigo mais comer a bendita da jabuticaba que em casa, no tempo da infância era a fruta das férias. Subir no pé, ouvir o nono ralhar com a gente e descer para levar um belo puxão de orehas. São certos rituais que acompanham os sabores nos dias seguintes. Dias de hoje são meio vazios sem essas coisas. rs Por sorte existe a lembrança, não é mesmo?

bacio

Katy disse...

Ah, a infância...período mágico da vida....esse seu post me fez lembrar daquele poema "oh, que saudade que tenho...da aurora da minha vida, da minha infância querida!", do Casimiro de Abreu...
Lindo mesmo...

Beijos.