quarta-feira, 14 de abril de 2010

Tempestades recorrentes...



O amor acabou....
O coração parou de bater rápido, apressado, sempre descompassado.
Não há mãos frias e aquele frio na barriga ao ouvir a voz...
Não há mais sorriso franco,
E nem noites estreladas que testemunhavam pensamentos longínquos.



Os sentimentos foram para outra direção,
Ventos norte, sul, leste....
Tempestades recorrentes,
Agora não mais de desejos, beijos, anseios.




Tempestades recorrentes,
De pensamentos que vão pra longe,
E levam consigo todas as lembranças.



Por Tempestade

6 comentários:

•.¸¸.•*♥*•.¸¸.• Sanzinha •.¸¸.•*♥*•.¸¸.• disse...

Partindo rumo a experiências e lembranças novas.

Beijo, querida!

Dani Brito disse...

"O amor acabou" - ai que triste. Acho que quando o amor acaba ele leva tantas cores... e então nos impulsiona a querer correr atrás de outras.
Beijos.

teoriasimpossiveis disse...

Não acho que o amor acabe, acho que é feito tempestade: silencia e então invade. Beijos carissima

C@urosa disse...

Olá minha cara amiga, que bom encontrá-la em plena forma, com belos e reflexivos poemas.

Paz e harmonia em sua vida,

forte abraço

C@urosa

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Leticia, será que acabou, as vezes não....pode ser só uma fase e daqui a pouco você pode mudar novamente o tom das suas postagens...nada como um dia após o outro...um abraço...valeuuu


Vamos a parte colada...

Oi...te convido a participar do Festival de Haikais no meu outro blog, o Verseiro – folhas, frutos e raízes (http://frutosdoverseiro.blogspot.com )
Não precisa seguir regras e métricas, fique a vontade e exercite sua criatividade caso nunca tenho feito um...participe...e olha, pode ser um poemeto também...rs...
Um abraço na alma, um beijo, uma folha, um fruto e uma raiz...valeuu...te aguardo por lá...

Daniel Savio disse...

E por fim, se encerar a possibilidade de transforma a dor em alguma coisa melhor...

Fique com Deus, menina Tempestade.
Um abraço.