Quem sabe isso quer dizer amor.....

Quem sabe isso quer dizer amor
Milton Nascimento
Composição: Márcio Borges e Lô Borges




Cheguei a tempo de te ver acordar
Eu vim correndo à frente do sol
Abri a porta e antes de entrar
Revi a vida inteira



Pensei em tudo que é possível falar
Que sirva apenas para nós dois
Sinais de bem, desejos vitais
Pequenos fragmentos de luz




Falar da cor dos temporais
Do céu azul, das flores de abril
Pensar além do bem e do mal
Lembrar de coisas que ninguém viu
O mundo lá sempre a rodar
E em cima dele tudo vale
Quem sabe isso quer dizer amor,
Estrada de fazer o sonho acontecer




Pensei no tempo e era tempo demais
Você olhou sorrindo pra mim
Me acenou um beijo de paz
Virou minha cabeça




Eu simplesmente não consigo parar
Lá fora o dia já clareou
Mas se você quiser transformar
O ribeirão em braço de mar




Você vai ter que encontrar
Aonde nasce a fonte do ser
E perceber meu coração
Bater mais forte só por você
O mundo lá sempre a rodar,
E em cima dele tudo vale
Quem sabe isso quer dizer amor,
Estrada de fazer o sonho acontecer

Comentários

Natália Augusto disse…
O amor sabe-se, sente-se,conhece-se e vem para o bem e para o mal. Por vezes, antecipa-se.

Belo poema.
IsaBella disse…
Ahh o amor...
Nos faz ter pensamentos loucos... e ações mais loucas ainda!

adorei a letra!!!
^^

beijinhusssssssssss
Elcio Tuiribepi disse…
Essa música é linda...também pudera...clube da esquina em ação...
Linda escolha...um abraço na alma...bjo
Vanessa disse…
Eu simplesmente adoro esta música, ainda mais com a voz do Milton.

Beijos
Katy disse…
Quem sabe isso quer dizer amor....e quem pode saber?
Beijos.
Daniel Savio disse…
Poesia bonita, mas o que adubado com amor e cuidado com paciência não transforma em algo melhor?

Fique com Deus, menina Tempestade.
Um abraço.
Sanzinha disse…
Milton canta de um jeito tão gostoso.
Pra gente ouvir agarrado ao travesseiro.. ou a um ursão, no meu caso... rs.
Essa música é linda.

Beijocas!

Postagens mais visitadas deste blog

Vencendo etapas...

Cartas de amor

Olhos de Carvão - Afonso Borges