quarta-feira, 4 de novembro de 2009

O jardim do amor...


Eu fui ao Jardim do Amor,
E vi algo jamais avistado:
No centro havia uma Capela,
Onde eu brincava no relvado.

Tinha os portões fechados, e "Proibido"
Era a legenda sobre a porta escrita.
Voltei-me então para o Jardim do Amor,
Que outrora dera tanta flor bonita,

E vi que estava cheio de sepulcros,
E muitas lápides em vez de flores;
E em negras vestes hediondas os Padres faziam rondas,
E atavam com nó espinhoso meus desejos e meu gozo.

William Blake




8 comentários:

Casal do Arrocha disse...

Que lindo minha querida!
Bjs...

Chica disse...

Muito profundo e lindo! beijos,chica

myra disse...

lindas imagens acompagnando muito bem o poema de W.Blake!!!
beijos

Jaque disse...

uau! Adorei!


Beijos,
Jaque.


PS: como anda o mestrado?

Daniel Savio disse...

Amores atuais acabam sendo erigidos sobre os antigos...

Isto é parte da vida e não tem como correr...

Fique com Deus, menina Tempestade.
Um abraço.

Mågø Mër£Îm disse...

Desata esses nós e te livra dos espinhos que tudo flui..

beijo

Daniel disse...

Bonito, enquanto lia me veio a mente a música Strawberry Fields Forever.
Beijos

A Madrasta Má disse...

Muito lindo amiga!
Bjinhos da Madrasta!