Delírio....


Delírio

Nua, mas para o amor não cabe o pejo
Na minha a sua boca eu comprimia.
E, em frêmitos carnais, ela dizia:
– Mais abaixo, meu bem, quero o teu beijo!


Na inconsciência bruta do meu desejo
Fremente, a minha boca obedecia,
E os seus seios, tão rígidos mordia,
Fazendo-a arrepiar em doce arpejo.


Em suspiros de gozos infinitos
Disse-me ela, ainda quase em grito:
– Mais abaixo, meu bem! – num frenesi.


No seu ventre pousei a minha boca,
– Mais abaixo, meu bem! – disse ela, louca,
Moralistas, perdoai! Obedeci….

Olavo Bilac

Comentários

Elcio Tuiribepi disse…
Não conhecia essa faceta do Olavo Bilac não...rsrs...não é que ele arrebentou...um abraço na alma...bjo
myra disse…
WOW!!!! eu tbem nao conhecia....
beijosssssss
M. Nilza disse…
Uia!

Olavo Bilac...grande. Amei, sensual na medida certa!

Beijos
Lú Silva disse…
Uauuuuu!!!
Amei o poema!

bjos fofos
Anônimo disse…
Que delícia esse poema, não conhecia. Grata pelo prazer desta leitura. Abraços meus
Chica disse…
Lindo e pra mim é nova essa !Lindo Bilac! beijos, tudo de bom.Acabei de abrir o espaço por lá, no CONTO.Está esperndo alguém iniciar. beijos,chica
Paa disse…
Titio Olavo é foda

bjo bjo flor *;

http://shitbyme.blogspot.com/
Daniel disse…
Também não conhecia e gostei.
Beijos
Dalva disse…
Noooossa... adoro esse lirismo erótico do Olavo Bilac... super fino!

Bjs.
Oi Tempestade
Olavo Bilac... encontrei uma dele falando sobre o beijo, postamos em setembro, acho, nos "Sonhos Secretos":
"Beijo extremo, meu prêmio e meu castigo,
batismo e extrema-unção..."

Um Mestre que alguns desconhecem...
Beijos, Marcia