Saudades dele.... - Republicação



Não, ele não era um pai que abraçava seus filhos. Tinha o olhar sério e às vezes de repreensão, mas era para o nosso bem, mostrava o cuidado e preocupação que tinha com os filhos. Sua gargalhada era ouvida e ecoava por toda a casa, e olha, que muitas vezes ele estava na cozinha ao lado da minha mãe. Tinha um sofá preferido na sala, o lugar onde sentava para assistir desenhos animados no sábado e domingo pela manhã. Mas quando menos se esperava ele já estava estirado no sofá e dormindo, pé ante pé íamos a pedido da mamãe desligar a tv, e quando pegávamos o controle remoto e apertavámos o botão de desligar, ele tossia e dizia: "Pode deixar ligada estou assistindo." A gente dava um sorriso e ligava novamente, saíamos e olhando um para o outro falava:"Ah, estava assistindo."
A marca registrada dele era ao fim do dia quando chegava do trabalho, ouvíamos o barulho do portão da garagem se abrir com tal força e o motor do carro, logo levantávamos do sofá "dele" e gritava: "Mãe, o papai chegou." Foram anos e anos assim, com sol, chuva, férias escolares, ano entrando e saindo e conhecíamos cada rotina dele, um passo em direção a um dos filhos, um olhar de lado ou mesmo quando íamos ao encontro dele pedir permissão para fazer algo ou mesmo pra sair de casa e ele sempre dava a mesma resposta "Pergunta pra sua mãe." E naquele ping-pong às vezes desistíamos de ir em frente, mas era engraçado. Passamos então a pedir diretamente à mamãe. Fazendo um atalho. Mas infelizmente um dia há nove anos atrás essa rotina foi interrompida, em um domingo pela manhã não o vimos cedinho em frente a tv para assistir aos desenhos, ele não tinha se levantado da cama. Coisa que nunca mais o fez e desde então não escuto o portão da garagem abrir, nem sua gargalhada pela casa, não preciso desligar a tv e nem sair correndo do sofá que ele sentava... Hoje quando assisto aos mesmos desenhos lembro dele, hoje só uso o portal social da casa, hoje não pergunto mais se posso sair, hoje não espero que o relógio marque 18 horas para que ele chegue. Saudades dele... do meu PAI.

Letícia Alves
Trilha do momento

Lembranças vivas do meu pai


Feliz dia dos Pais!

Comentários

Tyna disse…
Menina que emocionante!

Confesseo que essas dadta em minha vida passa batido, talvez por ingratidão da minha parte... Mas vejo como qualquer outro dia do ano,mas esse texto me emocionou muito... Me levou a lembranças que nem sabia que tinha,mas, que embora meu pai ainda viva, acabou se diluindo

Beijos
EU SOU NEGUINHA disse…
Amor eternizado,que marca a alma,que marca a vida para todo sempre.
Beijos amiga
Mahria disse…
Mesmo sem ter mais seu pai, vc tem boas lembranças dele, isso é tão importante.
Quando pensar em ficar triste, lembre que ele descansa nos braços do Pai Maior.

Bjinhos
A Madrasta Má disse…
Lindo o seu post! estou com muitas saudades!!! te espero no meu castelo!
Excelente domingo, pra vc e sua família!
Bjinhos da Madrasta!
Luma disse…
Também sinto essa angústia da saudade. Bom domingo! Beijus
Katy disse…
Le, uma linda homenagem a seu pai...texto maravilhoso!
Ótimo domingo!
Beijos.
doiSabores disse…
Adorei o texto...
Muito bonito.
Feliz dia do pai...
Beijos saborosos
Wania disse…
Oi, Lê
Lindo o teu texto... belas palavras escritas e, principalmente vividas!
A saudade pesa, mas o importante é o que foi vivenciado e guardado pra sempre dentro do teu coração.
Isso ninguém tira da gente!

Fica bem!
Bjs, amiga querida!
myra disse…
fantasticas linhas...eu morro de saudades de meu pai...
beijos e obrigada por teu comentario
Mah disse…
Vim agradecer ao comentário e o desejo deixado em meu post do nosso querido Coletivo e adorei seus textos. Taletosa!
Beijinhos
que bonitinho seu texto....cheio de vida, cheio de amor por seu pai! bjoos
Daniel Savio disse…
Eu também perdi o meu pai, sendo foi uma história meio complicado, pois antes da perda real, ele acabou se separando da familia e por fim, a minha mãe se separou dele...
Nos ultimos momentos, tentamos ajuda-lo quando esta internado no hospital, sendo que ele tinha fibrose pulmonar, ai tinha de ficar com um dreno conectado ao pulmão dele.
Mesmo não tendo tanta intimidade, era triste ve-lo assim.

Fique com Deus, menina Tempestade.
Um abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

Vencendo etapas...

Cartas de amor

Olhos de Carvão - Afonso Borges