sábado, 9 de maio de 2009

Olhar pela janela...



Levantou-se pela manhã...
Dia calmo, sereno e ainda havia a última estrela a piscar antes que o sol se levantasse.
Olhou o céu tão límpido e de um azul impressionante,
Contemplou assim a imensidão do universo.
Sentiu-se pequena perante aquele imenso azul, tudo era extenso, intenso mais uma vez.
Não, ela não queria sair dali,
Daquela janela onde contemplava aquele espetáculo luminoso.
Mas era preciso partir, deixar o azul para trás e voltar-se às outras cores, outros tons nem tão vivos, mas presentes.
A vida estava ali para ser vivida, bem ou mal, cheia de reveses, conflitos, choros, risadas, dúvidas, certezas, imposições, disposições, exposições e como sempre indefinições.
Virou-se,
Deu as costas para aquela janela, pedaço de paraíso e foi-se em direção ao cinza, ao verde, ao lilás e o azul ficando pra trás...


Letícia Alves
Trilha do momento
Escolhendo cores em uma paleta para colorir o caminho

5 comentários:

C. disse...

Geralmente quando ouvimos a palavra janela, pensamos em muitas coisas externas, mas essa palavra pode ser aplicada para coisas dentro de nossa mente, onde provavelmente as reformas demoram bem mais tempo para serem feitas, do que espreitar por uma.

caurosa disse...

Minha cara Letícia Alves, o olhar pela janela sempre nos traz grandes e profundas reflexões, muito bom.

Paz e harmonia,

Forte abraço

Caurosa

Wania disse...

Que um arco-íris lhe sirva de caminho!
Outros paraísos a aguardam...
disso "ela" pode ter certeza!

Bjs coloridos pra ti.

BAR DO BARDO disse...

Vida sem revés não é vida, é sonho.

Felicidades, Laetitia!

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Letícia, belo texto, e janela me lembra alma, elas são os olhos que alcançam as cores que não podemos enxergar, apenas sentir...
Um abraço nela...na alma...
Feliz Dia das Mães...bjo