domingo, 26 de abril de 2009

Saudades dele...


Não, ele não era um pai que abraçava seus filhos. Tinha o olhar sério e às vezes de repreensão, mas era para o nosso bem, mostrava o cuidado e preocupação que tinha com os filhos.Sua gargalhada era ouvida e ecoava por toda a casa, e olha, que muitas vezes ele estava na cozinha ao lado da minha mãe. Tinha um sofá preferido na sala, o lugar onde sentava para assistir desenhos animados no sábado e domingo pela manhã. Mas quando menos se esperava ele já estava estirado no sofá e dormindo, pé ante pé íamos a pedido da mamãe desligar a tv, e quando pegávamos o controle remoto e apertavámos o botão de desligar, ele tossia e dizia: "Pode deixar ligada estou assistindo." A gente dava um sorriso e ligava novamente, saíamos e olhando um para o outro falava:"Ah, estava assistindo."
A marca registrada dele era ao fim do dia quando chegava do trabalho, ouvíamos o barulho do portão da garagem se abrir com tal força e o motor do carro, logo levantávamos do sofá "dele" e gritava: "Mãe, o papai chegou." Foram anos e anos assim, com sol, chuva, férias escolares, ano entrando e saindo e conhecíamos cada rotina dele, um passo em direção a um dos filhos, um olhar de lado ou mesmo quando íamos ao encontro dele pedir permissão para fazer algo ou mesmo pra sair de casa e ele sempre dava a mesma resposta "Pergunta pra sua mãe." E naquele ping-pong às vezes desistíamos de ir em frente, mas era engraçado. Passamos então a pedir diretamente à mamãe. Fazendo um atalho.
Mas infelizmente um dia há nove anos atrás essa rotina foi interrompida, em um domingo pela manhã não o vimos cedinho em frente a tv para assistir aos desenhos, ele não tinha se levantado da cama. Coisa que nunca mais o fez e desde então não escuto o portão da garagem abrir, nem sua gargalhada pela casa, não preciso desligar a tv e nem sair correndo do sofá que ele sentava...
Hoje quando assisto aos mesmos desenhos lembro dele,
hoje só uso o portal social da casa,
hoje não pergunto mais se posso sair,
hoje não espero que o relógio marque 18 horas para que ele chegue.
Saudades dele... do meu PAI.
Letícia Alves
Trilha do momento
Lembranças vivas do meu pai

5 comentários:

Roberta.rj disse...

Que lindo Letícia!!! Nem sei o que escrever, pois estou emocionada demais pra pensar em palavras...
Um beijo!!!
Tenha um lindo domingo e uma semana maravilhosa!!!
Muita LUZ e PAZ semopre!!!

Cadinho RoCo disse...

É preciso aprender a conviver com a saudade. Receba minha solidariedade.
Cadinho RoCo

Ernani Netto disse...

Muito lindo isso!

Eu sinto essa falta do meu avô!

Bjaum

o casalqseama* disse...

fiquie com um
nó na garganta!


tens a minha admiração!

C. disse...

Adorei o texto, me comoveu.
Precisamos lembrá-los com lembranças boas e esquecer o capítulo final né.