quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Este silêncio que me corta...


Não tenho nem vergonha nem pudores
Da lágrima sincera que me embarga
É sal de que alimento os meus amores
E rio que afoga a pena mais amarga.


Num mar que é de revolta e de calmia
Navega assim a vida em todos nós
Porquê fugir à dor e à nostalgia
São ondas descobrindo a nossa voz.


Não quero este silêncio que me corta
Que enfrento de sentidos acordados
Não quero a indiferença, a alma morta
Às quais assim andamos condenados.


Não quero ser o drama insatisfeito
De quem não esteve ali p´ra não sofrer
Morrer por algo, ainda que imperfeito
É tudo quanto basta ao meu viver.
Não tenho ainda o medo de acordar
Mas sinto já a pressa dos mortais
Que sonham ser eternos ao amar
E temem não ter tempo de dar mais.


Mafalda Arnauth

Nenhum comentário: