quarta-feira, 28 de março de 2012

No deserto...


Tornou-se senso comum a frase "Quanto mais conheço as pessoas, mais amo os animais."
Se é senso comum ou não, isso eu não sei, mas que é bem verdade, isso eu tenho certeza.
E se parar pra pensar, vamos logo ali, o amor deles é incondicional, eles se alegram com você, e se entristecem quando você está triste. Então isso é amizade, lealdade, amor e o companheirismo característicos de um ser que vai sempre te olhar com olhos de felicidade.

Mas o ser humano não será altruísta sempre, em dado momento, a ganância, a paixão desenfreada, e a maldade, trazem a tona essa imperfeição, e esse lado que todo mundo tem, mas que em alguns seres se afloram e permanece pra sempre. Você pode escolher ser feliz, mas também pode escolher ser o espinho no caminho de alguém. 

Não importa sua religião, suas crenças ou a falta delas, o fato é que para cada um vai ter um anjo, e vai ter um querendo te destruir.

E isso se chama deserto...

Cada um dia nós permanece nele por algum tempo, mas é preciso confiar que ele passará, e então sairemos dele mais fortalecidos do que ao entrarmos.


Por Letícia Alves

segunda-feira, 26 de março de 2012

Ventos...





Ventos trazidos de nuvens espessas...
Sonhos perdidos no mar de ilusões...
Calor disperso em montanhas de alegrias.


Flores que nascem junto com a esperança...
Do porvir das lembranças,
Daquele outono vermelho.


Primavera que ficou,
E atrasou o inverno que,
Mostrava a faceta insensível,
Da vida.


Ventos que levam,
Mágoas,
Tristezas,
Desconfianças,
Mas trazem,


Amor, infinito amor!

Por Letícia Alves

sábado, 24 de março de 2012

Dias assim...



Dias a mais para se amar...
Dias a mais para sonhar...
Dias a mais para tentar...


Dias a mais para perdoar...
Dias a mais para sorrir...
Dias a mais para contemplar...




Dias assim...


Por Letícia Alves

domingo, 18 de março de 2012

Caminhando...



Sentou-se à beira do caminho,
Deixou a brisa tocar sua pele,
Sussurrar em seu ouvido.


Melodias da vida,
Cantos encantados,
Sons coloridos de,
Nostalgia.


Ela estava sentada,
À beira do caminho,
No mesmo lugar,
Onde há tempos...


Ela deixou seu coração,
Seu amor,
Um abraço,
Um perfume,
Lembranças...


Por Letícia Alves

quarta-feira, 14 de março de 2012

Silêncio!...




No fadário que é meu, neste penar,
Noite alta, noite escura, noite morta,
Sou o vento que geme e quer entrar,
Sou o vento que vai bater-te à porta...

 Vivo longe de ti, mas que me importa?
Se eu já não vivo em mim! Ando a vaguear
Em roda à tua casa, a procurar
Beber-te a voz, apaixonada, absorta!


Estou junto de ti, e não me vês...
Quantas vezes no livro que tu lês
Meu olhar se pousou e se perdeu!


Trago-te como um filho nos meus braços!
E na tua casa... Escuta!... Uns leves passos...
Silêncio, meu Amor!... Abre! Sou eu!... 

Florbela Espanca

segunda-feira, 12 de março de 2012

Noite...



Noite fria,
Distante,
Mesmo assim,
Pulsante.

Fato descoberto,
Desejo descortinado,
Coração atormentado.

Estrelas que brilham,
No azul infinito,
Lua que vela,
E sentimento que desvela...

Por Letícia Alves



sábado, 3 de março de 2012

Novo sorteio...

Queridas participantes,


Como a ganhadora do primeiro sorteio não apareceu, realizei outro e vamos conhecer a nova ganhadora.



Participantes


Número atribuído aos participantes






Vencedora





A vencedora foi a Nega!



Me mande seus dados para enviar pra você o livro.
Meu e-mail é: leticia.alves@gmail.com



Beijos e obrigada a todas pela participação!


quinta-feira, 1 de março de 2012

Março...



Março chegou...
Assim, um pouco devagar, um pouco com pressa.
Os dias se vão...
Cortados em fatias não tão iguais, pois a dimensão é interior.
É lá no fundo da alma, no aconchego do espírito é que sabemos quem somos, o que sentimos, o que o mundo é para nós.
E nessas cores matizes eu olho para o horizonte, e me perco, sem me encontrar...




Por Letícia Alves