sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Esmaltes e Dia das Bruxas


E o tema dessa semana da Blogagem Coletiva lá da querida Fernanda Reali  é Dia das Bruxas e Esmaltes.

Vamos escrever?


Como estou viajando hoje, não poderia ir com unhas de bruxa, mas fiz umas fotinhos bonitinhas pra mostrar o esmalte. Espero que gostem e Feliz Dia das Bruxas para todas essas mulheres maravilhosas!


Doces e travessuras



O esmalte - All Fired Up (675) da Revlon

Vamos escrever com a abóbora por aí?




Bom fim de semana a todas!
Beijos e até a volta!








sexta-feira, 21 de outubro de 2011

20 anos...


E era 21 de Outubro de 1991.

Feira de Ciências na escola.

Ela: 16 anos e muitas expectativas sobre o amor, profissão, e o mundo...

Ele: 20 anos, um quase adulto, Sargento do Exército Brasileiro, alguns planos, outros projetos, e algumas indecisões.

O que os olhos dela viram nos dele: ela se apaixonou...

O mundo que os cercava: ilusões adolescentes, feiras de ciência, campeonatos de futebol, vôlei e amigos em comum.

O encontro: peça do destino.

Por que? Ele procurava a menina que havia conversado com ele no dia anterior.

A resposta que a vida deu: Ela não foi à feira de ciências, por que sua avó adoeceu.

Momento decisivo: troca de telefones e uma distância quase superável.

Por que? Ele partia em missão para a fronteira com a Colômbia.

Meses que se passaram: cartas trocadas, telefonemas e encontros fortuitos.

Separações, voltas, desatinos e anos foram passando.

Hoje, 20 anos depois daquele encontro.

Ela: 36 anos, poucos sonhos, metas profissionais, perda de entes mais queridos (seus pais), não tem expectativas com o mundo e sonha com o desenvolvimento da sua profissão, viajar, viajar. E o amor? ele não veio, ela não se casou, ela não tem filhos e não os quer, e olha sempre pela janela, o horizonte perdido. Ela quase o perdeu por duas vezes, quando Ele esteve à beira da morte.

Ele: 40 anos, poucos sonhos, metas profissionais, perda de alguns entes queridos (seu pai), poucas expectativas com o mundo, várias companheiras, não se casou, não tem filhos, olha pela janela, o horizonte perdido. Ainda quer se casar, mas não quer filhos.


20 anos: os dois ainda se encontram espaçadamente, amigos confidentes, Ele sempre diz a Ela que ela é a única pessoa que está ao seu "lado" nesses 20 anos, mesmo depois de tudo que já aconteceu.

E estão separados e unidos há 20 anos, desde aquele encontro na Feira de Ciências...




*Uma história verdadeira que vivi/vivo, e que resolvi trazer a tona após ler o livro Um dia que você pode ler a resenha aqui.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Outros caminhos...




E era 21 de Setembro de 1845...

Eu andava pelos mesmos caminhos que hoje passo, em pleno século XXI, precisamente no ano de 2011. Uma única diferença me chamou a atenção, eu entrei em um cemitério que jamais entrei na atualidade.

Meus avós paternos lá estão enterrados, e meus pais é que me acompanhavam nesse visita inusitada que eu não tive medo e andava com mamãe e papai naturalmente.

Nesses anos sem meus pais, é a primeira vez que eles estão caminhando juntos e me levaram pra percorrer um caminho que ainda não fiz, mas que ao mesmo tempo eu teria feito no século XIX.

E assim sigo nessa jornada misteriosa que é a vida...

domingo, 16 de outubro de 2011

Amar!


Acho que já postei esse poema aqui no blog em outra oportunidade, mas não me lembro. O fato é que eu gosto muito desse poema, e ele fala muito meu atual momento.
Linha tênue entre pensamentos e ações.




Amar!Eu quero amar, amar perdidamente! 
Amar só por amar: Aqui... além... 
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente... 
Amar! Amar! E não amar ninguém! 

Recordar? Esquecer? Indiferente!... 
Prender ou desprender? É mal? É bem? 
Quem disser que se pode amar alguém 
Durante a vida inteira é porque mente! 

Há uma Primavera em cada vida: 
É preciso cantá-la assim florida, 
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar! 

E se um dia hei de ser pó, cinza e nada 
Que seja a minha noite uma alvorada, 
Que me saiba perder... pra me encontrar... 

Florbela Espanca, in "Charneca em Flor"

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Hoje Deus falou comigo...


Hoje Deus falou comigo...

Em um dia que amanheceu cinza, um pouco triste e vazio.

Deus falou comigo...

Naquele momento, uma senhora de olhos vivos e alegres e de mais idade sentou-se ao meu lado no ônibus e olhou pra mim e disse que sentia dores no braço. Perguntei a ela se era alguma problema de coluna, ela disse que era artrose, e outras complicações. 
Foi aí que ela conversou comigo como se conhecesse há anos, e ao olhar nos olhos dela, não só seus olhos, mas sua aparência, era muito, mas muito parecida com minha mãe. O corte do cabelo, os olhos sagazes e tudo mais.

E no meio de tantas coisas, Deus falou comigo...

Quando eu disse que nossos pais são as jóias mais preciosas que temos, ela disse que não.
Olhei pra ela espantada e ela se explicou. Disse que também já perdeu seus pais há tempos (ela tem 75 anos), mas que o bem mais precioso é um filho. Quando me disse isso, aqueles vivos se encheram de lágrimas e ela me contou que perdeu um de seus filhos assassinado há 10 anos, um sargento do Corpo de Bombeiros, uma vida que salvava outras vidas, foi morto de modo brutal e torpe.

E nessa hora a dor que sinto, se esvai, some, ao me deparar com dor dessa mãe.
Minha mãe também sofreu essa dor, mas perdeu seus dois filhos de morte natural, não os conheci. Mas até seus últimos dias aqui, ela sempre nos falou dessa dor. E hoje, uma outra mãe me contou essa dor.

Chegando em seu destino, ela me abençoa e desce do ônibus, um pouco mais leve talvez, ela estava indo a uma exposição de orquídeas.

Deus falou comigo hoje!

Por Letícia Alves

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Lâmina...



A lâmina fria de aço corta, fatia, separa...
Sentimentos gélidos...
Cálidos em minh'alma.


Tênue linha desconhecida.
Sem limites.
Contemplativos.


Choro que esvai,
Pensamentos absortos.
Tristeza que segue.


Novos caminhos,
Trilhas desconhecidas.


Flores,
Chuva,
Trovões...


Tempestade que se aproxima.




E vivo em constante turbulência interna.


Ventos que sopram,
Árvores que caem.
Caminhos sem volta.


Grito que ecoa,
No vazio oco da noite enluarada.




Por Letícia Alves

domingo, 9 de outubro de 2011

Miragem...





Olhava no espelho...
Linha tênue...
Seu reflexo.


Pensamentos...
Lembranças...
Desejos.


E por hora,
uma certeza...


Aquela menina
Que ainda não é
uma mulher.






Por Letícia Alves

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Chuva...





O dia amanheceu regado pela chuva...
Chuva de bençãos...
Lembro das suas mãos postas, olhando para o céu,
Agradecendo as gotas de chuva que caiam.


Mãos abençoadas,
Que ao simples toque curavam.


Sim,
Me curava de dores,
Que médicos não descobriram.


Me curaram de tristezas,
Que minha alma chorava.


Me curaram de muitas coisas.


Sim,
Mãos que me abençoaram,
Até o último instante,
Que entrelaçada com a sua,
Você me olhou e sorriu.


Foi o último entrelaçar de mãos,
Seu último sorriso,
Seus últimos suspiros.


E o seu sorriso ficou gravado na minha memória,
Assim como o toque suave de suas mãos.


Pra sempre!




Amo você mãezinha!

E sinto sua falta há exatos 14 meses!


Letícia Alves 


domingo, 2 de outubro de 2011

Esmaltes e drinks

E essa semana a proposta esmaltística da Fernanda Reali foi de Esmaltes e Drinks, seja alcoólico ou não.
Então vamos lá...

Essa semana estou usando o Gelo Única Camada da Colorama...



E a bebida é o saquê, comprei para experimentar, ainda não sei o gosto.






Até a próxima blogagem!