quinta-feira, 30 de abril de 2009

Ciclos...




Mais um mês findando e com ele se vão os dias bons e maus que vivemos.

Os sonhos já realizados e os que ainda estamos sonhando.

Nossas risadas e nossas lágrimas.

Nossa vontade de gritar pra todo mundo ouvir,

E o nosso silêncio que nos convida a reflexão.

Mais um mês,
Mais dias,
Que estão chegando.



Trarão...
Novos sonhos,
Novas risadas,
Novas lágrimas,
O barulho e
O silêncio.



Por que a vida é feita de ciclos e,
a cada ciclo que passamos,
nos fortalecemos mais,
aprendemos com erros.


Conhecemos novas pessoas,
Novos amores,
Redescobrimos nós mesmos.
E o ciclo começa mais uma vez sempre.

Isso é fascinante!


Letícia Alves
Trilha do momento
Expectativas para mais um novo ciclo na vida

quarta-feira, 29 de abril de 2009

O filme da minha vida...



Ao longo da nossa vida não temos apenas um filme, pois nossa vida passa por fases, e cada fase corresponde a uma pequena vida dentro da nossa e então haverá vários filmes nessas variadas vidas. Poderia escolher vários, mas como só posso escolher um para falar dele nessa postagem, escolho "Naufrágo" com Tom Hanks.

Nesse filme Tom Hanks é um inspetor de uma empresa de envio de encomendas - a Fedex - e faz o seu trabalho diário meticulosamente, sempre atento e comprometido com os horários e com a rotina do seu setor. Mas em sua vida particular, nunca tem tempo, e sua noiva - a atriz Helen Hunt - padece desse mal, pois com ele tudo é pra depois, daqui a pouco. Até que ele sofre um acidente e o avião em que estava cai no mar e ele vai parar em uma ilha deserta por 4 anos, onde vai ter que sobreviver tanto fisicamente como psicologicamente. Os seus familiares, amigos, colegas de trabalho e a própria noiva pensam que ele morreu no acidente e seguem suas vidas sem a presença dele.

E é nesse ponto que gostaria de chamar a atenção, pois há várias leituras possíveis nesse filme, mas essa é marcante. Não devemos esperar nunca para dizer "eu te amo", "eu gosto de você", ou mesmo dizer do que não gosta, o que prentende, enfim, viver, pois o tempo não espera jamais, e amanhã pode ser muito tarde pra falar essas coisas ou viver uma vida intensa com quem se ama. Essa reflexão é necessária para que tenhamos uma qualidade de vida melhor, sejamos mais felizes conosco e com os outros a nossa volta.

Quando o assisti no cinema há 8 anos atrás, eu trouxe comigo essa lição e sensação de nunca deixar para o dia seguinte o que estava sentindo e procurava demonstrar, dizer, me fazer presente, pois o futuro é muito incerto. Só temos o passado e o presente no qual estamos, então o melhor é utilizarmos o nosso tempo de forma racional, mas sentimental também.

Diga bom dia, diga eu te amo a quem se ama, abra seu coração sempre! Felicidade como está não tem dinheiro algum no mundo, profissão alguma que poderá substituir.


Esse é um dos filmes da minha vida!

Letícia Alves


*Esse post faz parte da Blogagem Coletiva "O filme da minha vida", iniciativa do Fio de Ariadne.

terça-feira, 28 de abril de 2009

Quero você de volta...


Queria muito que os ventos lhe trouxessem de volta...
Você faz muita falta!
Letícia Alves
Trilha do momento
Saudosa

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Blogagem Coletiva - O filme da minha vida


Hoje encerram-se as inscrições da Blogagem Coletiva "O filme da minha vida", uma iniciativa do Fio de Ariadne.
As instruções do Fio são as seguintes:

Caso deseje participar:

1. Deixe seu nome e blog (ural) na caixa de comentários do Fio de Ariadne;
2. Leve um dos selos da coletiva ;
3. Faça um post sobre o evento no seu blog, contendo este passo-a-passo e divulgue o selo;
4. Prepare na data marcada - dias 29 e 30 de abril- um post falando sobre o filme , sobre a experiência de assistí-lo, o que marcou, o que quiser falar sobre ele. Trata-se do seu filme preferido e, e claro, você é quem manda.


Quem gosta de filmes, é uma boa iniciativa!

Participem e visitem o blog.


Beijos Tempestuosos a todos!

Renovação...


O silêncio preenche o vazio.
A alma anseia por você.
Os ventos passam e levam consigo dores e trazem sonhos.
O céu turvo anuncia uma tempestade.
Tempestades passam e destróem tudo.
Uma forma de renovação, reconstrução.
Brisas como sinônimo de calmaria não refletem o batimento de um coração.
Luzes apontam um caminho.
Cores despontam no horizonte!
E a vida se alegre e segue seu curso...


Letícia Alves
Trilha do momento
Em plena renovação

domingo, 26 de abril de 2009

Um telefonema...



Pensativa....
Olha o número em sua agenda no celular... será que deve ligar ou não? Mas o que falar? Um bom dia como vai você, talvez pra iniciar a conversa! ou tudo bem? como vão as coisas? Essas trivialidades que todo mundo diz e costuma dar certo, as palavrinhas mágicas.
Disca o número.... (pausa, silêncio)....
Somente o som da chamada.
Alguém atende, ela diz "Bom dia!", com muito entusiasmo e do outro lado respondem "Bom dia". Um bom dia meio murcho sem sal, daqueles por educação, sabe?
Nesse momento o coração já começa a bater mais devagar, pois toda aquela emoção que estava a flor da pele, vai se esvanecendo.
Ela pergunta como ele está, e ele responde que está bem, tudo caminhando devagar, tranquilamente.
Ela diz que ligou apenas pra saber como ele estava e notícias.
Ele diz "obrigado, por se preocupar" (minuto de silêncio)
Ela diz "que bom que tudo está bem, então era isso", bom dia e tchau!
E ele "tchau".
Ela põe o telefone no gancho e pensa consigo mesma "não era bem isso que eu esperava como resposta, e talvez nem era isso que eu queria falar, mas enfim, acabou."

Sai caminhando com o celular na mão e internamente diz "é melhor esquecer...."


Letícia Alves
Trilha do momento
Pensativa e quase certa sobre as decisões que o ser humano deve tomar

Saudades dele...


Não, ele não era um pai que abraçava seus filhos. Tinha o olhar sério e às vezes de repreensão, mas era para o nosso bem, mostrava o cuidado e preocupação que tinha com os filhos.Sua gargalhada era ouvida e ecoava por toda a casa, e olha, que muitas vezes ele estava na cozinha ao lado da minha mãe. Tinha um sofá preferido na sala, o lugar onde sentava para assistir desenhos animados no sábado e domingo pela manhã. Mas quando menos se esperava ele já estava estirado no sofá e dormindo, pé ante pé íamos a pedido da mamãe desligar a tv, e quando pegávamos o controle remoto e apertavámos o botão de desligar, ele tossia e dizia: "Pode deixar ligada estou assistindo." A gente dava um sorriso e ligava novamente, saíamos e olhando um para o outro falava:"Ah, estava assistindo."
A marca registrada dele era ao fim do dia quando chegava do trabalho, ouvíamos o barulho do portão da garagem se abrir com tal força e o motor do carro, logo levantávamos do sofá "dele" e gritava: "Mãe, o papai chegou." Foram anos e anos assim, com sol, chuva, férias escolares, ano entrando e saindo e conhecíamos cada rotina dele, um passo em direção a um dos filhos, um olhar de lado ou mesmo quando íamos ao encontro dele pedir permissão para fazer algo ou mesmo pra sair de casa e ele sempre dava a mesma resposta "Pergunta pra sua mãe." E naquele ping-pong às vezes desistíamos de ir em frente, mas era engraçado. Passamos então a pedir diretamente à mamãe. Fazendo um atalho.
Mas infelizmente um dia há nove anos atrás essa rotina foi interrompida, em um domingo pela manhã não o vimos cedinho em frente a tv para assistir aos desenhos, ele não tinha se levantado da cama. Coisa que nunca mais o fez e desde então não escuto o portão da garagem abrir, nem sua gargalhada pela casa, não preciso desligar a tv e nem sair correndo do sofá que ele sentava...
Hoje quando assisto aos mesmos desenhos lembro dele,
hoje só uso o portal social da casa,
hoje não pergunto mais se posso sair,
hoje não espero que o relógio marque 18 horas para que ele chegue.
Saudades dele... do meu PAI.
Letícia Alves
Trilha do momento
Lembranças vivas do meu pai

sábado, 25 de abril de 2009

Encontros e Desencontros...



A vida é um encontro seu com o Universo,
Consigo mesmo,
Com as pessoas à volta, com seus sentimentos, verdades, mentiras, amores e desamores, paixões e toda a sorte de brisas e tempestades.
Encontrar-se é um exercício diário, requer paciência, tranqüilidade, mas principalmente tempo.
E o tempo tem sido o vilão na vida dita moderna e por quê?
Porque não se tem tempo para dar um alô, perguntar e ouvir a resposta de uma questão aparentemente simples, “Como você está?”, mas que traz em sua resposta um turbilhão de informações e sentimentos que estão entrelaçados e interligados.
O tempo pode promover encontros e até desencontros, e esses últimos com mais freqüência.
Desencontrar-se é perder-se e nesse paradoxo podemos dizer que haverá novo encontro? Talvez! A vida é feita de muitos desencontros também.
Que nos desligam de situações e pessoas que tanto queríamos que estivesse sempre ali do nosso lado, caminhando com a gente, mas que por força do destino ou de escolha própria não estão ali!
Desencontros são dolorosos e muitas vezes definitivos!
Letícia Alves
*Esse post faz parte da iniciativa do Palavrentas e Escrevedores. Visitem o blog!

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Me chame...


Me chame pra ser parte do seu caleidoscópio...
De você!
Uma cor pra se unir a todas as outras, as que formam o arco-íris, os fractais, os mosaicos, as telas...
Combinam entre si, se misturam, se completam, formam novas cores...
Vamos nos unir com mais cores...
Nos misturar, nos completar, formar novas cores...
Intensas, apaixonantes....
E ao fim ser mais que um arco-íris que tem sete cores, mas um verdadeiro caleidoscópio.

Letícia Alves
Trilha do momento
Buscando mudanças e uma nova paleta de cores

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Atenção!!!! Concurso Cultural!


Divulgando o Concurso Cultural que está sendo promovido pela nossa amiga L. do Erótico Enrustido.
Passem por lá! E vale a brincadeira, pois a vida somente séria nem tem graça!

E o sol...


E sol se põe,
Levando consigo,
Sonhos,
Cansaço,
Desejos,
Abraços.


Para que o novo dia amanheça,
Lindo,
Colorido,
Cheio de Beijos,
Intensos,
Envolventes,
Quentes.



*Pôr-do-sol do dia 21 de Abril de 2009 às 17:36 h

Letícia Alves
Trilha do momento
Alegre em sempre ter o sol

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Baile de máscaras...





Todo ser humano tem faces e fases. Natural da humanidade? Sim! Hoje você acorda muito alegre sem motivo aparente, e amanhã você pode chorar sem saber o motivo. São faces de sentimentos em uma mesma pessoa. Assim como temos fases, ciclos, períodos que vem e vão, parte do amadurecimento e crescimento humanos. Mas muito além das faces e fases de uma pessoa está a questão das máscaras. Não é novidade a construção de personagens seja para auto-preservação, para diversão, e também, infelizmente para o mal, para ferir pessoas e construir uma rede de mentiras que se alastra de tal forma que se confunde com a vida real. Até onde vai a realidade e a ficção? Ninguém mais sabe ou se sabe finge! E na pior das hipóteses compactua com essa farsa. Confunde-se criador e criatura, o médico e o monstro...
Dessa forma, assistimos a um baile de máscaras sem fim, e muitas vezes nada divertido.
Cada qual sabe qual máscara usar ou não, o que te serve ou não, o que é bom ou não. Em quaisquer ambientes que vivemos, sejam virtuais ou não, os mascarados sempre estão a nossa volta e cabe a cada um enxergá-los e querer estar ou não com eles nessa rede de mentiras e nesse baile de máscaras.
Afinal quem é você?


Letícia Alves
Trilha do momento
Pensativa sobre os mascarados virtuais e reais

terça-feira, 21 de abril de 2009

Tudo que se chama amor...



Tudo que se chama amor. – Cupidez, amor – ah! Como essas duas palavras têm sons diferentes em nossos corações! Talvez expressem, entretanto, o mesmo instinto batizado duas vezes: a primeira pejorativamente, do ponto de vista daqueles que já possuem que já têm um instinto de posse levemente formado e que temem, portanto pelos seus “bens”; a segunda elogiosamente, do ponto de vista dos insatisfeitos e dos ávidos que encaram esse instinto como “bom”. Nosso “amor ao próximo” não é na verdade um desejo imperioso de uma nova posse? E não acontece o mesmo relativamente ao amor à ciência e à verdade? E, mais, geralmente, a todo desejo de novidade? Deixamos pouco a pouco o antigo, do que possuímos seguramente, temos necessidade de estender ainda nossas mãos. A mais bela paisagem, depois que vivemos em face dela durante três meses não nos agrada mais, qualquer margem distante nos atrai com maior intensidade: uma possessão geralmente diminui com o uso. O prazer que tiramos de nós mesmos procura se manter transformando sempre qualquer coisa nova em nós mesmos e precisamente a isto chama-se possuir. Cansar-se de uma possessão é cansar-se de si mesmo. (O sofrimento pode provir do excesso; o nome lisonjeiro de “amor”.) Quando vemos alguém sofrendo aproveitamo-nos com agrado essa ocasião que se apresenta de apoderarmos dele; assim se faz o homem caridoso, o indivíduo complacente, que também chama de “amor” esse desejo de uma nova posse que despertou em sua alma e tem prazer nisso como diante do apelo de nova conquista. Mas no amor de sexo para sexo que se revela mais nitidamente um desejo de posse: aquele que ama quer ser possuidor exclusivo da pessoa que deseja um poder absoluto tanto sobre seu corpo quanto sobre sua alma, quer ser amado unicamente, instalar-se e reinar em outra alma como o mais alto e desejável. Se considerarmos que isso significa excluir o mundo inteiro do gozo de um bem e de uma felicidade preciosas; se pensarmos que aquele que ama deseja empobrecer e privar os demais concorrentes e tornar-se o dragão de seu tesouro como o mais indiscreto “conquistador”, o mais egoísta dos exploradores, se considerarmos que todo o resto do mundo lhe parece indiferente, desbotado, sem valor e que está pronto para fazer qualquer sacrifício, perturbar qualquer ordem estabelecida, relegar a segundo plano tudo quanto lhe interessa, espanta-nos que essa cupidez bárbara, essa furibunda injustiça do amor sexual, tenha sido glorificada a tal ponto, deificada em todos os períodos da história, pior, que se tenha tirado deste amor a idéia de amor como o oposto do egoísmo, enquanto talvez seja sua expressão mais espontânea. O uso, aqui, deve ter sido criado pro aqueles que ainda não possuíam e que desejavam possuir; talvez sempre tenham sido em número excessivo. Os que possuíram muito e conheceram a saciedade, deixaram vez por outra escapar uma palavra falando de “demônio furioso”, como Sófocles, o mais amável e mais amado dos atenienses; mas Eros sempre se ri de tais blasfemos; são seus grandes favoritos. Existe realmente aqui e além da terra uma espécie de prolongamento do amor, no qual o desejo experimentado por dois seres dá lugar a um novo desejo, a uma nova cobiça, a uma sede comum e superior, de um ideal que ultrapassa ambos: mas quem conhece esse amor? Quem o viveu? Seu nome verdadeiro é amizade.


A gaia ciência
Friedrich Nietzsche
Tradução de Márcio Pugliesi

Tempestade copiou esse texto
Trilha do momento
Pensativa acerca das relações humanas em todas as suas instâncias

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Dor...




Dor...
Essa dor que me invade...
Que sufoca...
Infinita dor.


Dor da saudade...
Dor do amor...
Incompreensível dor.


Dor material...
Dor imaterial...
Dor maternal...
Dor filial...
Dor sexual...
Dores, amores, dissabores...
Horrores...
Infinitas cores.


Uma só cor? Pra uma só dor?


Indolor....
Incolor...
No torpor...


Inflm(a)dor....
(in)dor


Por amor,
Sem a cor,
Que reflete,
O rumor,
Daquela dor!
Letícia Alves
Trilha do momento
Pensativa sobre a dor

sábado, 18 de abril de 2009

Rotina...



O despertador toca e mais um dia se levanta, ela olha para o relógio e sai da cama, daqueles lençóis tão aconchegantes para mais um dia rotineiro. A vida é uma sucessão de rotinas, mas ela admira quem consegue alterá-la a cada nova manhã, algo que ela não consegue há algum tempo.Segue em direção à cozinha, abre o armário e tira de lá toda a parafernália pra fazer o café. Lata com pó de café, coador, garrafa térmica e o caneco onde vai ferver a água, sim, ela faz o café à moda antiga com coador de pano e fervendo água no fogão, nada de cafeterias elétricas e coadores de papel. Enquanto a água ferve, ela escuta o noticiário pelo rádio, o meteorologista fala sobre o tempo, o jornalista sobre o trânsito e o pensamento dela longe de qualquer tempestade ou engarrafamento. Pronto! a água ferveu, hora de coar o café, depois de pronto vai pra garrafa térmica. Senta-se a mesa, e sorve uma xícara de café com seu acompanhamento preferido: pão com manteiga! Não há coisa melhor... pensa nas coisas que precisa resolver naquele dia, mais um dia. Termina seu café e vai para o banho, troca-se, e olhando no espelho vê o reflexo de uma pessoa em busca de novas alterações naquela rotina. Olha ao redor, pega a bolsa e as chaves e ganha a rua, lugar onde pode ser ela mesma: com seus medos, frustrações, desejos, vontades, alegrias, risada alta e toda a liberdade da qual precisa para viver, respirar, sonhar. Mesmo sendo um dia rotineiro, cada vez que ela abre a porta e sai tudo é novo e nunca há rotina....


Letícia Alves
Trilha do momento
Coração ansioso por mudanças

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Sempre você...



Você conseguiu chegar onde nenhum homem esteve...
Você foi o melhor presente que ganhei. Seu olhar sempre foi meu. Seu sorriso me fazia sorrir. Eu te ouvia admirada falar sobre a humanidade, o amor, a paz. Descansava em seus braços depois de ter sido a mulher mais amada. Você ajeitava meus cabelos e me olhava ternamente e eu me sentia sua eterna menina. Me abraçava e o silêncio falava por nós através das batidas do coração e o som da nossa respiração.
A despedida sempre era triste, dolorida, mas necessária e eu começava a contar os minutos para estar com você novamente.
Nunca precisamos discutir nosso relacionamento, pois nossas almas se entendiam e nossos corpos também.
E todos aqueles anos juntos foram os mais felizes e completos para mim.
Mas houve um dia em que nossa despedida durou mais tempo, nossa separação era inevitável e apenas adiávamos esse momento.
Lágrimas infinitas caíram dos meus olhos, você queria ficar mais ao mesmo tempo precisava ir.
O seu toque, o seu beijo, o seu amor ficaram em mim por muito tempo.
Hoje resta apenas a lembrança de uma história linda e feliz no tempo que durou.
E sei que o meu toque, o meu beijo estão em você até hoje.
E como sei? Por que sinto, minha alma me conta que mesmo após esses anos todos e a distância, o seu corpo e sua alma não me esqueceram.
Letícia Alves
Trilha do momento
Coração pensativo

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Uma ponte...



Nos meus sonhos você ainda está presente. Acordo e vejo que a realidade é outra, você não está ao meu lado. Mesmo acordada sinto seu perfume, seu calor, escuto seu sussurro, o tom da sua voz. Tudo tão presente e ao mesmo tempo em um passado distante. Não sei mais o que fazer para tirá-lo dos meus sonhos, já que você estão impregnado em mim, nas minhas lembranças e em cada olhar. Quando almas se encontram é assim! Mas por que esse hiato nos separa? Por que você sempre pensa em mim como mesmo disse, mas não está junto? São tantas perguntas e nenhuma resposta ecoa em meus ouvidos e no meu coração.

Será que é auto-proteção? Medo da entrega? De compartilhar comigo: seus sonhos, seus medos, suas angústias, suas preocupações, seus desejos e aquele amor tão único, exclusivo, atemporal e não convencional que só você soube me fazer entender e amá-lo assim...

Eu me abstive de você, mas meu coração não se cala quando você povoa meus pensamentos...

Sei onde você está e você sabe onde estou, falta apenas uma ponte para nos (re)ligar, e essa ponte somente você pode construir e por ela caminhar.

Me falta você!!!!


Letícia Alves
Trilha do momento
Coração teima em bater forte por você

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Muito prazer!!!


Definições as mais variadas existem para esse substantivo. O dicionário cita como sinônimo de alegria, contentamento, júbilo, deleite, gosto, satisfação, sensação agradável, boa vontade, agrado, divertimento, dentre outros sinônimos. Quando o substantivo é usado no que diz respeito ao amor, seja filial ou erótico, ele assume significado de emoção e gozo. Mas o que é o prazer? Em tudo há concordância que o prazer é um estado de bem estar. E qual é esse bem estar? Pra cada pessoa é um.
Para um colecionador apaixonado, prazer será adquirir mais uma peça exclusiva para a coleção, um jogador de futebol ao fazer o gol tão esperado para a vitória do time sente prazer e comemora. Uma criança ao ganhar seu brinquedo favorito, o dever cumprido, o amor correspondido, a viagem planejada, o despertar de mais um dia.
Prazer não é pra definir ou conceituar, existe pra sentir....
Então muito prazer!!!


A Língua Lambe

A língua lambe as pétalas vermelhas
da rosa pluriaberta; a língua lavra
certo oculto botão, e vai tecendo
lépidas variações de leves ritmos.
E lambe, lambilonga, lambilenta,
a licorina gruta cabeluda,
e, quanto mais lambente, mais ativa,
atinge o céu do céu, entre gemidos,
entre gritos, balidos e rugidos
de leões na floresta, enfurecidos

Carlos Drummond de Andrade

Essa postagem faz parte da Tertúlia Virtual. Tertúlia Virtual criado por Jorge Pinheiro (Expresso da Linha) e Eduardo P.L. (Varal de Idéias), reúne nesta CENTRAL DE RELACIONAMENTO as inscrições (nome e link) dos participantes das TERTÚLIAS todos os dias 15 do mês. Participem!

terça-feira, 14 de abril de 2009

A quoi ça sert l'amour?



A quem serve o amor?

Tempestade

Trilha do momento

Coração batendo forte



O deserto vai passar...



Manifestações de carinho e dedicação verdadeiros fazem diferença em quaisquer desertos que passamos. Uma palavra amiga, um gesto, um olhar, um silêncio na hora em que precisamos apenas de um abraço que nos conforte e nos aconchegue é o bálsamo que nos alivia. Amigos verdadeiros te criticam mas para o seu bem, querem ver você crescer e sair mais forte de um deserto. Mas outras pessoas às vezes não te compreendem e cometem injustiças que ferem um sentimento. Sempre aprende-se uma lição com tudo na vida que passamos. Não, o deserto não passou da noite para o dia, mas a companhia de alguém querido, muitas vezes que está tão longe, lá em outro fuso horário, ou o sorriso de alguém ao telefone, e mesmo a presença em pensamento de alguém que lhe quer bem vai amenizando essa passagem pelo deserto que é comum para todas as pessoas.

Lendo e pensando e como não poderia ser diferente, tempestades, brisas sempre me fascinaram, me deparei com esse pensamento:


" Nunca tome uma decisão definitiva com base numa tempestade passageira. Não importa que as nuvens sejam negras ao seu redor. Repita a seguinte frase várias vezes:

Essa também irá passar."
T.D.Jakes

Letícia Alves e Tempestade
Trilha do momento
Coração se acalmando

Deserto...

Não sei enfrentar a vida e nem as questões que nela se colocam. Sinto-me fora do mundo, não por ser melhor do que alguém, mas pelo contrário, por não me sentir boa o suficiente para as pessoas e para o mundo em geral. A vida está passando por mim. Não sou adulta o suficiente, acho que finjo ser. Não sei tomar decisões e vivo aconselhando os outros a sempre tentar e ir em frente, mas eu mesma não sei e não dou conta de colocar isso em prática. Continuo vivendo em um imenso e tenebroso deserto que só eu sei o quanto é desesperador, angustiante e aflitivo. E parece que nunca vai ter fim. Para todas as pessoas o deserto passa, mas para mim parece eterno...

Letícia Alves e Tempestade
Trilha do momento
Aflição e angústia

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Eu sei... mas ainda estou aprendendo!!!



Eu sei que mesmo que você não esteja aqui, um dia já esteve...

Também sei que os meus pensamentos sempre foram seus mesmo que por tão pouco tempo, mas que para nós foi uma eternidade. Escolhas são dolorosas mas necessárias. Entre escolher esperar, estar com você ou renunciar esse amor - único, singular, leal e verdadeiro - escolhi a renúncia. Difícil decisão, dolorosa, sangrenta mas no momento talvez seja a mais correta. Digo talvez, por que nada na vida é definitivo. Tudo torna-se tão fulgaz e passageiro, e por que tantas discussões, esperas infundadas, caminhos interrompidos? Hoje o vento sopra feito brisa, mas amanhã pode vir uma tempestade que mudará todo o rumo que até então era tão certo, tão fixo, tão previsível. E após várias ventanias, quando ela se vai, fica-se os estragos, mas também os cacos. Muita das vezes reconstruir é mais complexo, demorado e delicado do que simplesmente manter. A manutenção do amor também é assim. É mais viável, menos doloroso e traumático regar uma relação diariamente, pouco a pouco, aparando arestas, indicando novos caminhos, dividindo preocupações, somando companheirismo. Reconstruir depois de uma tempestade é mais demorado, demanda mais esforço, é mais desgastante, e ao fim os cacos não se encaixam e não mostram um conjunto harmonioso. Nota-se então um mosaico, mas não um que seja lindo, colorido e permanente, mas um frágil, que uma simples brisa que alenta o coração pode destruí-lo para que nunca mais volte a se erguer. Novamente entram as escolhas que fizemos e que sempre faremos ao longo de nossas vidas. Amanhã pode ser muito tarde para escolher novamente. Tente sempre fazer a mais acertada das escolhas sempre, mesmo com nossas falhas humanas.

Letícia Alves
Trilha do momento
Pensativa sobre escolhas na vida

domingo, 12 de abril de 2009

Sentimentos...



Só eu sei realmente o que sinto... Mais ninguém!

Às vezes estou sorrindo pra você, mas por dentro estou em pranto! Quando eu digo que está tudo bem é pra não lhe preocupar, mas nem sempre está tudo bem. Percebo que não interessa como estou, o que penso, o que quero, mas somente a vontade alheia a minha. Quando grito ou sou indiferente à situação que não me agrada, sou nervosa!

Se não respondo, viro as costas e vou embora, estou impaciente!

Quando aponto alternativas, outros caminhos, novas possibilidades, sou egoísta!

E se por acaso concordo com algo que foi decidido, não sou uma pessoa que discute!

Afinal, que tipo de pessoa tenho que ser?

Continuo preferindo ser eu mesma sempre em qualquer situação!


Letícia Alves
Trilha do momento
Pensativa nas relações humanas e nas mudanças de rota

Feliz Páscoa!!!



Desejo a todos os amigos, seguidores e leitores uma Feliz Páscoa!!!!
Mais uma oportunidade para reflexão e renovação!!!
E que ganhem muito chocolate, eu já ganhei meu presente da Madrasta!!!!
Desculpe, mas sou uma enteada chique viu?
Beijos Tempestuosos!!!!

sábado, 11 de abril de 2009

Invisível....



"Vejo somente com o coração. O essencial é invisível aos olhos."

O Pequeno Príncipe

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Simplicidade...

Simplicidade torna a vida mais fácil, atrativa, terna...
Nos fazer sentir alegria sem motivo, mas na verdade internamente temos um motivo sim.

Letícia Alves
Trilha do momento
Coração Feliz

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Contos de Fadas...




"Os contos de fadas são assim.
Uma manhã, a gente acorda
E diz:"Era só um conto de fadas..."
E a gente sorri de si mesma.
Mas no fundo, não estamos sorrindo.
Sabemos muito bem que os contos de fadas
são a única verdade da vida."


Antoine de Saint-Exupéry
Trecho extraído de "O amor do Pequeno Príncipe: Cartas a uma desconhecida"

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Sobre o tempo....




"O tempo é justiceiro e volta a por tudo no seu devido lugar."



Voltaire


Trilha do momento
Tic tac do relógio

terça-feira, 7 de abril de 2009

Eu pensei...



Eu pensei que você me amava, mesmo do seu jeito, mas que era amor. As suas palavras, os seus gestos, seu toque, o sussuro, a preocupação, seu sorriso, felicidade constante. Mas percebi e pude comprovar que não era amor, mesmo que fosse um amor não convencional, um amor único e exclusivo, o amor que você sentia e demonstrava. Em um tempo tão curto, entre um encontro, um reencontro, a insistência, o aguardo, o tempo, e tantas coisas não foram suficientes para sustentar esse sentimento tão intenso que pra mim era tão latente, pulsante e natural. Esperas são sempre angustiantes e sofridas. Provocam hiatos que muitas vezes não podem ser reatados, recompostos. E assim sinto-me num hiato no qual não haverá nenhuma ponte que poderá nos (re)ligar de forma intensa, verdadeira e constante. Ah, sentimentos mudam como ventanias, trazem tempestades, e muita das vezes nenhuma brisa.

Do céu ao inferno em questão de segundos, dias ou semanas e mesmo assim não tive uma constância e então sinto-me na obrigação de me abster, de renunciar a todo esse conjunto de sentimentos pelos quais passei nos últimos tempos.

Tempos revoltos, tempos de esperança, tempos de alegria, tempos de angústia.

Agora é preciso um tempo de paz, de reflexão...


Letícia Alves
Trilha do momento
Algo por você
Engenheiros do Hawaii

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Escuridão...


Lado escuro,
Obscuro,
Obsceno,
Terreno...
Escuridão,
Imensidão,
Reflexão,
Solidão...
Em cada sombra,
Você passa,
Transpassa,
Devassa...
Em busca da luz,
Incadescente,
Insistente,
Quente...
Delírios sufocantes,
Extasiantes,
Flamejantes,
Estonteantes,
Vibrantes...

Você,
Eu,
Nós,
Mais,
Menos...

Tudo igual,
Normal,
Ou desigual,
Natural...

Amor,
Paixão,
Emoção,
Fusão...
Letícia Alves
Trilha do momento
Coração descompasado

domingo, 5 de abril de 2009

À procura...


Meu desejo continua ardente...
Latejante...
Incandescente...


Desejos úmidos e quentes,
A procura de você!
Letícia Alves
Trilha do momento
Coração batendo forte

sábado, 4 de abril de 2009

Ciúmes...


"Se eu tiver de morrer, não serei mais ciumento quando estiver morto;mas,e até que eu morra? Enquanto meu corpo viver, sim!
Mas já que sinto ciúmes somente do prazer,
já que o meu corpo é ciumento, já que não é do seu coração que sinto ciúmes, não é de sua felicidade, que eu desejo [...];
quando meu corpo se apagar, quando a alma prevalecer sobre ele,
quando eu me desprender aos poucos das coisas materiais como naquela noite em que estive muito doente, então não desejarei mais loucamente o corpo e
amarei tanto mais a alma, não sentirei ciúmes.
Então amarei de verdade."

O fim do ciúme e outros contos
Proust
Trilha do momento
o amor não importando quando e como...

sexta-feira, 3 de abril de 2009

As palavras....

Suas palavras ecoam em mim...
No meu coração...
Nos meus pensamentos...
Na minha respiração...
Tudo estava tão certo...
Tão terno...
Tão estável...
Tão vivo...
Tão próximo...
Mas com palavras...
Tudo não está mais certo...
Não está mais terno...
Não está mais estável...
Não está mais vivo...
E não está mais próximo...

Mas suas palavras...
Continuam ecoando em mim...
No meu coração...
Nos meus pensamentos...
Na minha respiração...

Letícia Alves

Trilha do momento

Palavras que ecoam...

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Em algum lugar onde nunca estive...

Em algum lugar onde nunca estive, e felizmente aquém
de qualquer experiência, teus olhos guardam seu silêncio:
em teu gesto mais frágil há coisas que me envolvem
ou que não posso tocar porque estão muito próximas
Teu olhar mais leve facilmente me descerra
embora eu me tenha fechado como dedos,
e me entreabres sempre, pétala por pétala, como a Primavera
(por toques habilidosos, misteriosamente) abre a primeira rosa
Ou se teu desejo é me fechar, eu e
minha vida nos fecharemos formosa e rapidamente
como quando o coração desta flor imagina
que a neve - cuidadosamente - está caindo em toda a parte;
Nada do que podemos perceber neste mundo se compara
ao poder de tua intensa fragilidade; cuja textura
me compromete com a cor de seus países
e me entrega para a morte cada vez que respiro
(Nada sei do que te faz tão poderosa
ao me mover; mas algo em mim compreende apenas
que a voz de teus olhos é mais profunda que todas as rosas)
ninguém, nem mesmo a chuva, tem as mãos tão pequenas.



e. e. cummings
tradução de Jorge Wanderley
Trilha do momento
Coração feliz e tranquilo

quarta-feira, 1 de abril de 2009

O dia do encontro da Tempestade com sua Madrasta....




Manhã nublada do dia Primeiro de Abril (não, não vou contar mentira não), olho para o céu e parece anunciar uma TEMPESTADE.
Sigo o mesmo caminho de todas as quartas pela manhã, mas essa quarta era especial e à tarde prometia...
A manhã passa, penso...penso...
E disco o número mágico....
Do outro lado da linha quem me atende?
Uma voz diz "Oi, tudo bem?"
Eu respondo que sim e pergunto "Posso te encontrar?"
E ela "Claro! me dê um toque quando chegar".
Aproximando.... aproximando...
Não há como voltar atrás....
Diante daquele castelo eu dou um toque e digo "Estou aqui na porta"....
Ela responde "Já vou te buscar"....
Minhas mãos suam frio e fico divagando....
Será que vai me oferecer uma maçã envenenada? Logo esse pensamento dissipa e penso "Como boa enteada, eu vim visitar A Madrasta Má e por isso não vai acontecer nada".
Minutos depois eis que surge a Madrasta, toda de negro e sorriso no rosto....
Olho fixamente, e ela vem em minha direção e me abraça dizendo "Ei, como você está?".
Respiro fundo e digo "Estou bem".
Passo algumas horas da minha tarde com minha Madrasta querida e me despeço na certeza que de Má..... bem, cada um tem que descobrir!


E assim foi o dia em que a Tempestade encontrou sua Madrasta....



Beijos Tempestuosos!
Trilha do momento
Coração feliz em conhecer A Madrasta Má

Liberdade...


Liberdade é um substantivo difícil de definir.
No dicionário encontra-se diversas definições, desde o poder de exercer livremente a sua vontade até outro substantivo como ousadia e independência e mais outras tantas.
Mas como dizer que há liberdade se em certos momentos você é julgado sem ter direito à defesa, é criticado mas sem nunca poder falar em seu próprio favor? Isso não é liberdade, continua sendo coerção, e voltamos lá atrás no conceito de confiança. Hoje em dia de nada vale as palavras ditas, não se confie no que você diz, sempre é preciso das provas materiais daquilo que ser quer comprovar. Em tempos da tão propolada modernidade e até para alguns estudiosos a pós-modernidade, a sua palavra meu caro, não vale nada. Só valerá se tiver prova contundente do que diz, e isso quer dizer, materialmente falando ou até quem sabe registro em cartório.
Tudo isso por que o ser humano não confia, e se não confia, não acredita e se não acredita, caminha para os atropelos que uma simples palavra mal falada ou mal escrita pode causar.
E elas causam desde uma simples gota de chuva até uma enorme TEMPESTADE. Para abrandar e dissipar essa TEMPESTADE é preciso novas palavras, mas não as ditas, mas sim, as escritas e lavradas em cartório, pois a confiança e a liberdade...... ah, elas não existem!
E se existem... estão em seres humanos únicos exclusivos, aqueles que tem a mais pura essência da vida. Os mais raros possíveis!
Letícia Alves
Trilha do momento
Pensativa sobre como o ser humano perde tanto tempo com tolices e se aprisiona